PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O PRIMEIRO ANO DE GOVERNO DO PT FOI PERDIDO.

Por: Fonte: Agência PFL
O primeiro ano de governo do PT foi perdido. Pior, o Brasil andou para trás
Fonte: Agência PFL -
Data da publicação: 18/12/2003


O primeiro ano de governo do PT foi perdido. Pior, o Brasil andou para trás


Em breve, o governo Luiz Inácio Lula da Silva completará um ano. Antes do balanço do próprio presidente da República, programado para o dia 18/12, o PFL apresentou sua avaliação da gestão petista numa entrevista coletiva que reuniu o presidente pefelista, Jorge Bornhausen (SC), o vice-presidente, José Jorge, os líderes do senado, José Agripino(RN), e da Câmara, José Carlos Aleluia (BA). “2003 foi um ano perdido. Pior que isso, o Brasil andou para trás”, disse Bornhausen.
“O governo do PT foi reprovado”, avaliou o senador. Como principais motivos, Bornhausen citou o aumento da carga tributária, altos índices de desemprego e o desprezo pela segurança pública. “Este foi um ano de má gestão, mas o PFL faz oposição construtiva, queremos que o governo corrija seus erros”, afirmou. Mas o presidente não deixou de classificar o governo como perdulário, com plano de poder e domínio da máquina democrática, mas sem plano de governo. Durante a entrevista, o senador mostrou trechos de programas da campanha eleitoral com promessas não cumpridas Lula e, posteriormente, comentou cada assunto listado abaixo.

Derrotados no lugar dos especialistas

O governo do PT criou seis novos ministérios e secretarias especiais. Os ministérios são ineficientes e os colaboradores da campanha, contemplados com cargos de alto escalão no governo, são incompetentes. Dos 21 candidatos derrotados do PT nas eleições 2002, a maior parte foi nomeada para altos cargos no governo.

Modelo econômico esgotado, crescimento zero

O Brasil apresentará em 2003 um constrangedor índice de crescimento zero do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2001, ano de crise energética, o crescimento do PIB foi 0,7%. Em 2002, 1,5% e em 2003 o resultado será crescimento nulo. No trecho do programa eleitoral de Lula apresentado por Bornhausen, o atual presidente dizia que o modelo econômico do governo Fernando Henrique Cardoso estava esgotado. Mas, curiosamente, o PT manteve o mesmo modelo, além de gerar recessão econômica, desemprego e expectativa de PIB zero. “A necessidade para quem gerou desemprego seria de 6% ou 7% de crescimento do PIB, mas o governo prevê apenas 3,5%. É medíocre! O mau gerenciamento do país vai produzir o crescimento medíocre da economia”, declarou o senador. A previsão era R$ 16 bilhões de investimentos externos, não será cumprida e nem chegará a R$ 9 bilhões. “O PT faz política externa para agradar o partido.”

Emprego e renda

Na campanha presidencial, Lula fez uma promessa que ludibriou os brasileiros: os 10 milhões de empregos. Pior que isso, depois que Lula foi eleito 650 mil pessoas perderam seus empregos. Hoje, praticamente 13% da população economicamente ativa está desempregada. Em decorrência do alto índice de desemprego, a renda média dos brasileiros caiu 15,2% desde outubro do ano passado. “A maior crítica que faço ao governo do PT é o aumento do número de desempregados, causado pela política econômica recessiva adotada pelo partido”, afirmou Bornhausen.

Redução de impostos

Na campanha presidencial, Lula prometeu redução de impostos, mas o que se vê no fim do primeiro ano de governo é exatamente o contrário. Não existe crescimento econômico, a renda do trabalhador foi retraída, a taxa de desemprego chega a 12,9% e aumento insistente de tributos. A carga fiscal no governo do PT começou a crescer já no governo de transição, quando aumentou o PIS (Programa de Integração Social)/ Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido das Empresas), a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), o Imposto de Renda e a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social).

Na reforma tributária do PT, o aumento da carga de impostos é também evidente porque cria a contribuição social sobre importações de mercadorias e serviços, contribuição sobre iluminação pública e consumo de energia elétrica, Cide sobre importação de petróleo e derivados, incidência de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias) sobre transferências interestaduais de mercadorias e bens entre estabelecimentos do mesmo titular, cinco alíquotas do ICMS com a equalização pelo Confaz, aumenta a alíquota da CPMF (Contribuição Provisória sobre Contribuição Financeira) prevista em lei para 0,08% e elevada para 0,38%.

Entretanto, na oposição ao governo petista, o PFL alcançou sucesso retirando da reforma tributária dez pontos de aumento da carga fiscal. São eles:

1. aumento sobre insumos agropecuários,
2. selo pedágio,
3. incidência sobre serviços dos impostos de exportação e importação,
4. IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) sobre embarcações e aeronaves,
5. empréstimo compulsório por lei ordinária,
6. alíquota máxima da CSLL para instituições financeiras,
7. progressividade de até 15% no imposto sobre heranças,
8. ITBI (Imposto de Transmissão de Bens e Imóveis),
9. contribuição de limpeza urbana
10. novo empréstimo compulsório sobre ação ambiental.


Reforma agrária

O número de invasões de propriedades rurais dobrou em 2003. Foram 209 ocupações, contra 20 registradas em 2002. Segundo Bornhausen, este é um reflexo da nomeação de um ministro ligado ao Movimento dos Sem-Terra (MST) para comandar o Ministério do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto. “Lula colocou insensatamente o boné do MST em uma solenidade no Palácio do Planalto e o movimento achou que podia invadir terras”, concluiu.

Idosos

Foram citados casos de injustiça contra os mais velhos, como as filas do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), e outros exemplos de desrespeito com o cidadão, como falta de remédios para quimioterapia no Inca (Instituto Nacional do Câncer) e corte de verbas nas Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

Segurança

O governo do PT promoveu o narco-turismo, negociando até com o traficante Fernandinho Beira-Mar, além de não implementar nenhuma melhora na área de segurança pública. Do total previsto pelo governo para investimento em segurança em 2003, apenas 18% foi liberado. Do valor previsto para o reaparelhamento das polícias estaduais e guardas municipais de todo o país, foram liberados 20,3% do total. “A segurança pública foi desprezada pelo governo”, indignou-se o presidente Bornhausen. Enquanto isso, um estudo mostra que a cidade de São Paulo é mais violenta que a Colômbia. Há poucos dias a prefeitura do Rio de Janeiro foi informada de que um de seus mais importantes programas para prevenção de violência será suspenso em 2004 porque o Ministério da Assistência Social não incluiu o Programa Agente Jovem no orçamento do próximo ano.

© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net