PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
ECONÔMIA PERNAMBUCANA

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
O crescimento do setor de tecnologia da informação é visto como um dos alavancadores do processo de crescimento da economia local de Pernambuco e deve seguir pari passu com o crescimento do varejo e das áreas médico-hospitalar e universitária.
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Nos últimos anos, a economia de Pernambuco apresentou índices muito baixos de crescimento, mas a sua estrutura se modificou, sensivelmente, passando a depender mais diretamente do setor terciário, que já responde por mais de 61% da formação do seu PIB.
O setor terciário é dos mais avançados da região, composto por um varejo variado e sofisticado e as cadeias do Pólo Digital e do Pólo Médico (modernos hospitais e casas de saúde), ao lado das Universidades privadas.
Recente estudo divulgado pelos economistas Leonardo Guimarães Neto, da Consultoria Economia e Planejamento (Ceplan) e João Policarpo, da Universidade Federal de Pernambuco, apontam essas novas tendências.
A pesquisa foi realizada em 2003 e, além de reunir dados de vários setores da produção, ouviu mais de 70 técnicos e empresários das áreas de serviços educacionais, médico-hospitalares, informática, varejo, comunicação e “marketing”.
Verificando os números da pesquisa, observa-se que de 1985 para 2000 a participação do terciário no PIB estadual subiu de 51% para 61%, enquanto a participação do secundário (indústria) caiu de 35% para 31% e do setor primário (agricultura e pecuária) de 14% para 8%.
O setor terciário, já em 2000, chegou a empregar cerca de 667 mil pessoas com carteiras assinadas (CTPS), um aumento de 3,9%, comparativamente ao ano de 1994. Em termos de registro de empresas (na JUCEP), o número subiu de 25,6 mil empresas em 1994 para 42,6 mil no ano de 2000.
O crescimento do setor de tecnologia da informação é visto como um dos alavancadores do processo de crescimento da economia local de Pernambuco e deve seguir pari passu com o crescimento do varejo e das áreas médico-hospitalar e universitária.
O comércio confirma a vocação mercantil do Recife, pois as empresas do ramo representam 45,4% do setor terciário, segundo a pesquisa. O varejo chamado moderno responde por essa expansão. São os “shopping centers”, os hipermercados e lojas de conveniência que surgem em vários bairros da capital do Estado e também nas cidades de médio porte, no interior.
Para ter-se uma idéia desse crescimento, basta lembrar que o Shopping Center Recife – um dos primeiros do Nordeste – já está na sua quarta etapa de expansão.
O Pólo Médico do Recife é um referencial importante na medicina brasileira. Em 2000, o setor gerava 19 mil empregos diretos em 1.825 estabelecimentos. Sua capacidade instalada precisa, contudo, ser melhor aproveitada e a tendência é para a formação de um “cluster”, com a junção ou associação de algumas empresas, a nível regional. Outro aspecto a considerar é a instabilidade da prestação de serviços pelos Planos de Saúde privados, que não só remuneram por tabelas de baixos preços, como também se apresentam inadimplentes junto aos Hospitais e Casas de Saúde em prazos insuportáveis pelos estabelecimentos.
Programas de crédito, através do Banco do Brasil e do Banco do Nordeste podem contribuir para dar mais suporte ao setor terciário e, nesse sentido, quero registrar o programa chamado de “Cresce Nordeste” do BNB, que pretende aplicar 3 bilhões de reais na região. Trata-se de uma linha de crédito com juros baixos e prazos mais longos para pagamento, abrangendo não apenas o setor terciário, mas também a agricultura, a pecuária, a carcinicultura, fruticultura e turismo. Outra linha de crédito lançada pelo Banco do Nordeste foi o FNE Capital de Giro, com uma dotação inicial de 380 milhões de reais. Especificamente para o turismo do Nordeste, quero referir-me ao PRODETUR, em parceria com o BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e recursos disponibilizados de 400 milhões de dólares.
Esses indicadores, Sr. Presidente, mostram tendências de revigoramento econômico, mas para sua concretização é preciso que haja um clima favorável aos investidores privados, que passa, necessariamente, pela estabilidade política e institucional.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 30 de março de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net