PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
A SUDENE QUE TODOS QUEREMOS

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
Que a SUDENE renascesse forte e autárquica, com o seu planejamento regional, a exemplo do que ocorreu nos anos 70, 80 e 90.
O Sr. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE) Pronuncia o seguinte discurso: – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Creio que uma das maiores frustrações dos nordestinos nestes últimos 16 meses foi o anúncio gorado de que a SUDENE voltaria a surgir, como uma fênix das cinzas da natimorta ADENE gerada nos últimos meses do Governo FHC. Esvaneceram-se as esperanças; e malogrou-se o projeto inicial, transformado em projeto de lei complementar ao enviado pelo Executivo desde julho passado. O texto ora em exame prevê a volta dos incentivos fiscais que foram a alavanca principal do desenvolvimento da região Nordeste nos anos 60, 70 e 80, mas a sua transformação em debêntures não-conversíveis em ações, ensejando a devolução dos recursos dos incentivos não parece a melhor alternativa para o investidor desejoso de empreender naquela região. Por outro lado, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Regional arrisca transformar-se em ponto de discórdia entre os governadores nordestinos, que disputarão as futuras fatias dos recursos como se a idéia desse Fundo já embutisse, para inviabilizá-lo, uma discórdia regional. “Divide e reina”, supondo que foi o lema de quem o propôs para procastinar a sua aprovação e inviabilizá-lo na prática.

O fato é que nunca interessou ao paulistério no Governo – neste e no outro passado, de 8 anos – que a SUDENE renascesse forte e autárquica, com o seu planejamento regional, a exemplo do que ocorreu nos anos 70, 80 e 90. Por que o próprio Governo não tem um Plano de Desenvolvimento, más políticas setoriais. Nesse capítulo não se venha a acusar os militares de antipatrióticos: os Governos Castelo Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel e Figueiredo apoiaram a SUDENE e não bloquearam, como ocorre, agora, os recursos do FINOR.

Leia-se o depoimento prestado pelo ex-presidente do Banco do Nordeste, ex-Superintendente da SUDENE e ex-Ministro Rubem Vaz da Costa ao JORNAL DO COMÉRCIO do Recife (edição de 02 de maio): “O veto à recriação da SUDENE é feito pelo Ministério da Fazenda. Para recriar a SUDENE, Lula teria que ampliar as despesas públicas, elevando repasses orçamentários ou abrindo mão de receitas, via renúncia do Imposto de Renda”.

Já o ex-Superintendente Adjunto da SUDENE na gestão Celso Furtado, o sociólogo Francisco Oliveira, um dos ideólogos do PT, foi mais contundente: “A promessa do restabelecimento da SUDENE foi irresponsável. A economista Tânia Bacelar sabe tudo sobre isso e, a menos que não queira falar, é a pessoa mais indicada (para falar sobre a recriação).”

O Economista piauiense Paulo de Tarso Moraes e Sousa, irmão do Senador “Mão Santa”, ex-Diretor de Incentivos da SUDENE e ex-Secretário da Fazenda do Piauí, foi mais longe na sua análise crítica: “A recriação (da SUDENE) só vai sair depois das eleições. O Governo Lula não vai dar um palanque privilegiado como a SUDENE para os Governadores do Nordeste, ainda mais em um ano de crise. A SUDENE, viva, uniria o Nordeste”.

Pelos dados levantados na pesquisa do JORNAL DO COMÉRCIO dirigida por Jamildo Melo, o Nordeste, com a demora na recriação da SUDENE, perdeu até agora 1 bilhão e 890 milhões de Reais: 480 milhões em 2001, 660 milhões em 2002 e 750 milhões em 2003.

Caso a recriação não ocorra em 2004, mais 800 milhões de reais deixarão de ser repassados para o desenvolvimento regional neste Governo.

Há 200 projetos remanescentes do FINOR, que, se implantados, poderão gerar mais 60 mil empregos, dizem os analistas, entre eles o consultor Nilo Simões, especialista em desenvolvimento.

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: o que falta para a recriação da SUDENE senão vontade política e a superação da resistência passiva da atual equipe econômica?

Muito obrigado!

Sala das Sessões, 04 de maio de 2004.


Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net