PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O BRASIL E A DESIGUALDADE

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
Essa desigualdade na distribuição ou redistribuição da renda tem como causa, não apenas problemas econômicos, mas políticos
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: O recente relatório do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Banco Mundial) mostra que o Brasil continua a ser o país com maior desigualdade de renda na América Latina, apesar de exibir um PIB portentoso, mas que detém um indicador 0,59 na escala Gini, que vai de 0 a 1, no qual 1 “é o pior indicador e representa a maior desigualdade”. Também não nos foi favorável a amostra do “Atlas de Desenvolvimento Humano” de 2003, publicado pelo IPEA e Fundação João Pinheiro, que indica as desigualdades entre os municípios brasileiros e a constatação de que, na lista dos 5 piores municípios, com índices de desenvolvimento humano baixíssimos (e o IDH é medido pela longevidade/saúde), quatro são do Nordeste do Brasil.
A má distribuição de renda no país, que o Banco Mundial revela, mantém o país como a sexta maior nação em concentração de renda no mundo. No caso do índice Gini, a que me referi, o país está apenas à frente da Guatemala e da Colômbia, com respectivamente 0,58 e 0,57. E a Colômbia não é, infelizmente, exemplo, hoje em dia, de país com qualidade de vida e no qual a sua população de quase 35 milhões de habitantes, desfrute de segurança e bem-estar.
Essa desigualdade na distribuição ou redistribuição da renda tem como causa, não apenas problemas econômicos, mas políticos, derivados do sistema de poder na maioria dos países da América Latina, onde a apropriação da riqueza nacional se faz através de mecanismos embutidos nas instituições nacionais e nos estamentos jurídicos.
No Brasil, os 10% mais ricos do país – diz o estudo do Banco Mundial – detêm 47,2% da renda e os 20% mais pobres apenas 2,6% dessa mesma. Nos países da América Latina, os 10% mais ricos ficam com um valor que vai de 40% a 47% da renda; e os 20% mais pobres, de 2% a 4%. Não se trata de estatística forjada por algum grupo fanático, com a intenção de trazer à cena política temas de confronto, mas de uma análise imparcial do BIRD, que reforça nossa tese, aqui tantas vezes repetida, de que o modelo do “Consenso de Washington”, seguido inexplicavelmente pelo Governo do PT, não resultou na redução dos índices de desigualdade e pobreza no Brasil, nestes últimos 15 meses.
Com a manutenção desses índices de pobreza, contrai-se o mercado consumidor e a indústria não produz a nível suficiente para atender à demanda interna (por sua vez, contraída), embora não se possa negar que as vendas externas do Brasil são um sucesso e os novos empregos que surgem têm sido gerados mais pelo setor exportador do que pela produção voltado ao mercado doméstico.
Assessor do Banco Mundial, Michael Walton chega a afirmar, segundo noticiário distribuído nas última semana pelas agências internacionais que, a persistirem essas desigualdades na distribuição de renda no Brasil, aumentarão os conflitos e a violência, pois haverá menores níveis de coesão social. Isto se observa dramaticamente na Colômbia, há vários anos, e na Venezuela, nos últimos meses.
Por outro lado, observadores da União Européia, preocupam-se com as conseqüências, no plano interno brasileiro, das nossas próximas eleições municipais, que certamente se refletirão nos trabalhos do Congresso. O Governo vem assumindo um crescente papel regulatório na economia e, às vésperas da viagem do Presidente da República à China, não estão claras as regras do projeto PPP – Parceria Público-Privada, pelas quais o Governo federal espera atrair investimentos privados para o setor de infra-estrutura.
As declarações recentes do novo diretor gerente do Fundo Monetário Internacional, Rodrigo Rato, sobre o Brasil são, todavia, otimistas; e na condução da política econômica não se prevê nenhuma alteração substancial, embora não seja este o caminho mais desejado para que o estado retome os investimentos reclamados na infra-estrutura, pois as estradas estão se acabando por falta de conservação, os portos reclamam novos equipamentos e o setor da água e saneamento permanece sem investimentos substanciais, além de persistir um déficit habitacional que leva à favelização das grandes cidades e, hoje, perigosamente, se estende, também, às cidades de porte médio, em todo o país.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em de maio de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net