PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O UNIVERSO DO MUNICÍPIO

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
O Município é que é a sua realidade mais tangível, a que lhe diz respeito.
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Sempre digo que para quem vive no Município, no Brasil, a União e o Estado são duas abstrações, pois esses espaços de divisão política e administrativa não coincidem com o cotidiano das pessoas, cujas necessidades estão ali, no seu entorno. O Município é que é a sua realidade mais tangível, a que lhe diz respeito.
Isto vale para os 5.587 Municípios brasileiros e os 176,8 milhões de habitantes do país. E, no caso de Pernambuco, também para os seus 8,0 milhões de habitantes, e excluindo-se os 1,5 milhão que vivem no Recife, mas cujas necessidades são também as necessidades de um Município nos últimos anos conurbado a Jaboatão, Olinda, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Abreu e Lima, Igarassu, Moreno e até ao Cabo, onde está o Porto de Suape – hoje o principal ancoradouro do nosso litoral, depois que o porto do Recife caiu de importância econômica e estratégica. De modo totalista, para os mais de 8 milhões de habitantes de Pernambuco o que vale mesmo é o Município.
Nas vésperas das eleições municipais de 2004, o Município avulta como a preocupação principal dos governantes e políticos, não apenas pelo fato de que serão renovadas as administrações e as Câmaras Legislativas, mas pela emergência dos seus problemas, muitos deles arrastando-se sem solução, há várias décadas.
Não me refiro apenas à falta de abastecimento d’água e à precariedade das escolas de 1º grau, mas à deficiência na coleta do lixo, à precariedade da assistência médica, à escassez de saneamento básico, à inexistência de pavimentação ou à negligência da sua manutenção, e até mesmo, à insuficiência do fornecimento de energia elétrica aos distritos mais distantes das sedes e às fazendas e pequenas propriedades rurais.
O Município é o núcleo de maior convivência comunitária que conheço, pois nas metrópoles e nas cidades de porte médio o homem se perde no anonimato das relações funcionais, torna-se um número qualquer e seu diálogo é, como se diz em Informática, formatado em padrões pré-estabelecidos.
A raiz do Município é portuguesa; e não é sem razão que Martin Afonso de Souza, na sua viagem ao Brasil, criou o primeiro deles, o Município de São Vicente. Em livro já antigo, de 1948, intitulado O Município no Brasil, Edmundo Zenha estudou a evolução dessa unidade matriz do território brasileiro.
A Municipalidade tem de estar próxima das pessoas. Faço idéia de como é difícil gerir uma Megalópole como são Paulo ou o Rio. Penso que é indispensável ter unidades menores para convivência humana. Mas é necessário que os dirigentes da União e os governadores pensem, prioritariamente, no Município e nas suas necessidades. E não apenas às vésperas do espetáculo das eleições, a cada quatro anos.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 07 de julho de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net