PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
COMBATE Á POBREZA

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
Nem tudo o que vem à rede é peixe, ditado popular que bem ilustra a situação das ONGs no Brasil.
O Sr. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE) Pronuncia o seguinte discurso: – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Nem tudo o que vem à rede é peixe, ditado popular que bem ilustra a situação das ONGs no Brasil, cujas atividades devem ser melhor regulamentadas propiciando maior controle com o objetivo de evitar, senão dificultar, que a ação de pessoas oportunistas e sem escrúpulos acarrete em verbas mal-aplicadas, irregularidades e mau uso de suas finalidades sociais.
As Organizações Não Governamentais – ONGs, também chamadas organizações do terceiro setor, que do ponto de vista jurídico assume um dos dois formatos institucionais para a constituição de uma organização sem fins lucrativos, quais sejam associação ou fundação, são entidades de interesse social comprometidas com o processo de democratização voltadas à luta contra a exclusão e pela redução das desigualdades sociais, à defesa de interesses difusos, à promoção de direitos e cidadania.
O universo de atuação das ONGs é bastante amplo e de difícil regulação em apenas um diploma legal, vai desde fundação de amparo à velhice até clube de praticantes de truco, o total de ONGs em atividade no País chega hoje a 250 mil. A maior parte delas atuando em áreas de assistência social, saúde, educação, meio ambiente e índios. Por outro lado, os instrumentos legais existentes acerca do assunto não oferecem uma integração harmônica, além de favorecerem a utilização das entidades sem fins lucrativos com a finalidade de contornar dispositivos da Lei de Licitações, da Lei de Responsabilidade Fiscal, da Legislação tributária, etc.
É preocupante a proliferação de ONGs, sem que haja um controle efetivo das atividades desenvolvidas, seus representantes e origem de recursos e a prestação de contas.
Segundo dados divulgado no “O Estado de São Paulo”, edição do 20/06/2004, existem 29 mil organizações não-governamentais catalogadas pelo governo e aptas a captar recursos federais. Sendo que, 90% delas foram criadas na década de 90, quando o terceiro setor se expandiu no Brasil. Foi a partir de então que os recursos destinados a essa atividade, pelo Tesouro Nacional, apresentaram grande expansão, superando em até dez vezes, em seu total, a verba da maior parte dos ministérios.
O crescimento rápido de ONGs foi estimulada com a regulamentação das Organizações da Sociedade Civil Públicas, as OSCIPs, além da ênfase dada ao sistema de parceria para execução de programas governamentais. Sendo que, nos últimos anos, o Poder Executivo tem transferido responsabilidades às ONGs. Consequentemente, cada vez mais recursos são direcionados a essas entidades para execução de programas junto à comunidade. É indiscutível que algumas das chamadas organizações não-governamentais têm cumprido um papel importante em diversas áreas de atividade pelo Brasil afora. Como também, é fato que muitas delas vivem à sombra governamental ou de instituições internacionais com as quais governos colaboram.
Em que pese todos esses fatos conflitantes na atuação em programas sociais, a tendência do trabalho do Estado em parceria com organizações não-governamentais, firmou-se no Brasil no momento certo, dadas as carências do país, o emperramento da máquina pública e a falta de recursos para financiar toda uma nova política social. Com o tempo, consolidou-se a idéia do Terceiro Setor, nome dado a esse conjunto de entidades voltadas para a área social, administradas de forma profissional e sem fins lucrativos.
Deste modo, é imperativo o legislativo buscar um meio de fortalecer o relacionamento sociedade civil e governo para os fins do Estado. Concomitantemente, deve-se implementar um controle mais eficiente do que é feito com o dinheiro público no Terceiro Setor.
O crescimento das organizações não-governamentais no mundo inteiro e no País, seu poder crescente de influência na vida econômica, social, política, jurídica, administrativa, profissional, ambiental das sociedades contemporâneas estão a exigir uma reflexão a respeito da real representatividade ou do grau de legitimidade de muitas delas. Antes de mais nada é preciso poder separar o joio do trigo, entre as centenas de ONGs em operação no território nacional, aquelas que têm marcado sua atuação com uma tradição de seriedade e transparência, prestando, em vários setores, uma contribuição realmente valiosa à sociedade brasileira.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 11 de agosto de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net