PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
100 ANOS DE CAPIBA

Por: Guia Pernambuco
"Quem tem saudade não está sozinho

"Quem tem saudade não está sozinho
tem o carinho da recordação"


Contra-capa do disco "Viva Capiba"

Capiba, com certeza não está sozinho, pois, vive na casa de Deus e tem o carinho e a recordação dos seus admiradores, mesmo passados 7 anos da sua partida, podemos, hoje, saudar um pouco este ilustre pernambucano, que, se vivo fosse, completaria 100 anos de idade.

Lourenço da Fonseca Barbosa, ou melhor dizendo, Capiba, cantor e compositor, pernambucano, nascido na cidade de Surubim, interior de Pernambuco no dia 28 de outubro de 1904, se tornou referência da música pernambucana, em particular, do frevo que é um dos ritmos tradicionais e característicos da terra.

Capiba, mesmo apelido que tinha o seu avô, em 1912 já fazia parte da Banda regida por seu pai e em 1921 vinha a organizar sua própria banda de música, a Orquestra Jazz Band Campinense. Formou-se em Direito em 1938. Uma de suas primeiras composições foi a valsa Meu Destino. Em 1918 compôs Suíte Nordestina para Piano e de suas peças clássicas destacam-se: Peça Armorial Sem Lei nem Rei e a Grande Missa Armorial.

Capiba é o grande compositor pernambucano de frevo-canção tendo composto centenas delas além de frevos-de-bloco, maracatus, frevos de rua, sambas, chorinhos e outros ritmos. Seu grande intérprete sempre foi o cantor pernambucano Claudionor Germano. Seus frevos mais famosos são : É de Amargar, Manda Embora Essa Tristeza, Linda Flor da Madrugada, Cala a Boca Menino, Trombone de Prata, Madeira que Cupim não Rói, Oh Bela, Juventude Dourada, ...


Capiba por ele mesmo


Capiba nos últimos anos de vida


Sempre compus todo gênero de música. Gosto também, e muito, do frevo porque me dá uma constante sobrevivência artística, como compositor. Apresento-me nos carnavais pernambucanos desde 1934, para manter uma fogueira que vem acesa desde os idos da década de 20, ou melhor, para não deixar cair a peteca. Mas, meu fraco mesmo são as canções, valsas e serestas.
Quando cheguei no Recife, em setembro de 1930 para trabalhar no Banco do Brasil S/A, tratei, logo, de organizar com outros colegas estudantes, a Jazz Band Acadêmica, orquestra que dominou os salões do Recife naquela época. Na qualidade de diretor da orquestra que fundara eu tinha que ser acadêmico. E, para tal, tentei o vestibular de direito, em 1931, para poder ostentar o honroso título de acadêmico, uma vez que os demais elementos de orquestra eram todos estudantes superiores. Onde eu morava, muito embora dormisse no quarto onde nasceu o grande abolicionista, Joaquim Nabuco, não cheguei a assimilar os seus conhecimentos e ensinamentos e, por isso, levei pau no vestibular daquele ano.

No ano seguinte passei no vestibular. Não estava, portanto, enganando a mais ninguém. Era de fato e de direito, acadêmico para todos os efeitos. (Hoje, com o correr dos tempos, não se diz mais acadêmico e sim, universitário). A honra do patrono da Fundação Joaquim Nabuco estava salva. E, por causa dessa minha teimosia de ser estudante de Direito, terminei como bacharel em 1938. Está aí, mais uma coisa que a música me deu,- não sei se boa ou má. Só de uma coisa eu sei: nunca fui buscar o meu diploma que, certamente, está armazenado na Secretaria da famosa primeira escola de Direito do país.

Eu disse acima que meu fraco são as canções, valsas, serestas e são mesmo. Daí, ter lançado em 1931, o meu cartão de visita como compositor da VALSA VERDE, com belos versos de Ferreira dos Santos. Com esta valsa abriram-se os caminhos para o tímido matuto de Surubim, que eu era. Vieram outros sucessos. Em 1932, É DE TORORÓ, com letra de Ascenso Ferreira, gênero de música lançado por mim, nos salões do Recife, à frente da Jazz Band Acadêmica. Em 1933, CORAÇÃO, QUE MAIS QUERES? com versos do poeta Leovigíldo Júnior. Novo sucesso em 1934 : É DE AMARGAR - frevo que todo o Recife cantou em uníssono, no carnaval daquele ano. Esse frevo é, até hoje, lembrado nos salões dos grandes e pequenas clubes da Capital do Frevo - Recife. Daí diante nada mais tenho a dizer sobre canções de carnaval, todo o Recife conhece a minha trajetória.

Tenho feito, no decorrer de todos estes anos, uma série interminável de canções com os maiores poetas brasileiros e, até estrangeiros. Posso citar dentre eles, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Vinícius de Moraes, Ariano Suassuna, Carlos Penna Filho, João Cabral de Mello Neto, Alfonsus Guimarães, Ascenso Ferreira, Jorge de Lima, Geraldo Brasil, Jayme Griz, Langston Hughes e muitos outros.



O talento de Capiba não se limitava à música


Capiba e seu lado pintor


O pintor Capiba nasceu na década de 60. Um dia, a artista plástica Ladjane Bandeira foi à casa do compositor para que ele musicasse a sua peça Viola do Diabo. Conversa vai, conversa vem, ele lhe revelou seu desejo de transmitir através dos pincéis o seu modo de sentir e ver o mundo à sua volta. Pouco tempo depois, a pintora enviou ao mestre do frevo tintas e pincéis com fartura. Foi o bastante para que o autor desse início ao seu novo hobby.
Capiba pintou algumas dezenas de quadros, voltados para o popular e o figurativo. Algumas vezes revelam uma forma ingênua e primitiva, enfeixando cenas folclóricas ou motivos religiosos. Igualmente procurou imprimir uma visão pessoal às situações que retratou. Um dos temas favoritos do pintor/compositor eram as brigas de galo.



Trechos de Músicas

É de Amargar

Eu bem sabia
Que este amor um dia
Também tinha seu fim
Esta vida é mesmo assim
Não pense que estou triste
Nem que vou chorar
Eu vou cair no frevo
Que é de amargar ...


Madeira que Cupim não Rói

Madeiras do Rosarinho
Vem à cidade, sua fama mostrar
E traz com seu pessoal
Seu estandarte tão original
Não vem pra fazer barulho
Vem só dizer, e com satisfação
Queiram ou não queiram os juízes
O nosso bloco é de fato campeão
E se aqui estamos cantando esta canção
Viemos defender a nossa tradição
E dizer bem alto, que a injustica dói
Nós somos Madeira de Lei que cupim não rói.


Oh Bela

Você diz que ela é bela
Ela é bela sim senhor
Porém poderia ser mais bela
Se ela tivesse meu amor, meu amor
Bela é toda a natureza
Oh Bela ...

Fonte pesquisada: Guia Pernambuco

Cordiais saudações,


Felipe Dornellas.
Presidente do PFL Jovem do Recife/PE
Presidente Nacional da Comissão Jurídica do PFL Jovem
Monitor da Escola Nacional de Política da FGV/ITN
(5581) 9151.8952
(5581) 3421.5187
felipedornellas@hotlink.com.br
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net