PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O AGRONEGÓCIO DO BRASIL INCOMODA

Por: Inocêncio Oliveira Deputado Federal( PFL/PE.)
O Brasil incomoda na área do agronegócio, dentro do mercado internacional de produtores
O agronegócio do Brasil incomoda

Inocêncio Oliveira
Deputado federal (PFL-PE)

O Brasil incomoda na área do agronegócio, dentro do mercado internacional de produtores, antes acostumados a ditar as regras. Na OMC, estamos debatendo todos os produtos ou quase todos. E em termos de preços, somos imbatíveis no café solúvel, na soja, no suco de laranja, nas frutas - quando nos permitem vender aços planos, muito em breve "vinho de mesa", tão consumido em todo o mundo, sobretudo na Europa.

Pois esse agronegócio é responsável pelos nossos confortáveis superavits na balança comercial dos últimos meses. O avanço do Brasil, dizia recentemente o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, incomoda na área de soja - natural ou transgênica - e na produção de frangos. A verdadeira discussão - e nisto estou de acordo com o Governador - "não é ambiental, mas econômica". E há quem veja nos recentes e exacerbados movimentos sociais dos "sem terra" para ocupação de fazendas uma organização política que, para operacionalizar-se, parece ter inspiração de patrocinadores políticos. A quem interessaria pois, a desestabilização no campo, onde começa o agronegócio brasileiro, que foi responsável pelo superavit comercial recente de mais de 20 bilhões de dólares?

A ocupação da Amazônia, as reservas hídricas do Brasil, a soja transgênica, a carne brasileira são sempre temas recorrentes na imprensa internacional especializada em questões agrícolas, econômicas e ambientais, que trazem ao debate aspectos polêmicos, como se o Brasil fosse o grande vilão do Século XXI quando, o que se esconde por trás dessa mídia dirigida, é o receio de que o país se possa transformar, rapidamente, no "Poder Alimentar" que é ou será tão forte quanto o "Poder Militar".

Outro exemplo de pioneirismo e de avanço tecnológico no campo, mas voltado à indústria, é o desenvolvimento do biodiesel, à base da mamona. Os cearenses estão na frente dessa iniciativa, com 10 mil novos hectares de mamona plantados para aproveitamento na extração de óleo combustível.

A Câmara dos Deputados apresentou um projeto de uma mini-usina para produzir biodiesela partir da mamona, que também poderá ser utilizado com o babaçu, coco, dendê etc.

O programa do Ministério da Agricultura, com apoio do Ministério da Integração, deve favorecer o plantio de 100 mil hectares novos de mamona no Nordeste, em 2004 para a produção de óleo. O biodiesel da mamona já vem sendo utilizado com sucesso em outros países, como a Alemanha.

A expectativa é que, com o plantio da mamona, seja possível criar um emprego a cada 2 hectares plantados, no Nordeste do Brasil. Em Pernambuco, o programa já está sendo desenvolvido pelo IPA. Será necessário, porém, delimitar as áreas de cultivo para que não haja interferência com a área reservada ao criatório extensivo, pela ameaça de "invasão" do gado, na busca de alimentação, à alta toxicidade da mamona. Mas, o biodiesel não se restringe apenas à mamona: há experimentos vitoriosos com o dendê, o coco, o babaçu.

Daí porque, com as secas fustigando ainda boa parte do Nordeste, é preciso haver da parte do Governo uma atitude menos fiscalista e maisdesenvolvimentista. Para tanto, precisamos ter uma política de convivência do homem com a seca e uma medida efetiva seria o aproveitamento de produtos adaptáveis às nossas condições climáticas para a produção de biodiesel.


© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net