PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
MAIS EMPREGOS NO INTERIOR

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
caprinocultura e a ovinocultura em Serra Talhada e sertões do Pajeú e Moxotó
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Os dados sobre o crescimento da economia no primeiro trimestre do ano provocaram um excesso de euforia nos círculos oficiais que ainda não justifica a política de produzir superávites primários à custa da contenção dos investimentos em infra-estrutura. O que ocorreu foi o registro de modestíssimos 1,6% relativamente ao final de 2003 e queira Deus que esse ritmo se mantenha de modo sustentável para que a taxa de desemprego se reduza e novas oportunidades de trabalho sejam criadas em todo o país. Todavia, o consumo das famílias cresceu modestamente: apenas 1,2% na comparação com o primeiro trimestre de 2003.
Todos os analistas econômicos apontavam, neste último fim de semana que, a persistir a tendência, a economia crescerá entre 3,5% e 4,0% em 2004 e é bom que isto aconteça, pois a violência que impera em nossas cidades é subproduto da crise econômico-social que já atinge, dramaticamente, a classe média brasileira.
Basta ver a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, divulgada na penúltima semana de maio, para registrar que a renda média das famílias passou de R$ 2.630,00 em 1996, para R$ 2.154,00 em 2003, descontada a inflação do período.
Infelizmente, nessa estatística negativa, Recife, entre as metrópoles do país, é a que apresenta menor rendimento familiar – R$ 1.321,00 – contra R$ 1.523,00 de Fortaleza e R$ 1.734,00 de Salvador, para citar apenas duas capitais da região Nordeste.
Mas, Sr. Presidente, apostemos nesse ritmo de crescimento continuado da economia nacional, que é ainda um dos menores entre os países emergentes, para que o eixo do emprego se desloque das regiões metropolitanas do Sul e Sudeste para as cidades de médio e pequeno porte no interior do país, em particular no Nordeste e Norte
O DIARIO DE PERNAMBUCO destacava, recentemente, uma tendência naquele Estado de criação de mais empregos no interior: considerando o período de abril de 2003 a março de 2004, criaram-se 12.500 vagas no interior, de um total de 17.300 em todo o Estado. A estatística é confiável, pois se baseia nas CTPS assinadas. É sinal de que muitas empresas se estão instalando em Municípios do interior ou vizinhos às capitais para aproveitar incentivos locacionais e também fugir dos problemas que afligem os trabalhadores de áreas metropolitanas: violência, longa jornada de casa para o trabalho, transporte público deficiente, tudo concorrendo para o estresse emocional, que é causa maior da queda de produtividade do trabalhador urbano.
Destaca a análise do jornal que “antes concentrada nos grandes centros urbanos, a mudança geográfica do emprego se deve à saturação do mercado de trabalho na cidade”. Houve, também, a criação de novos nichos de mercado no interior, como por exemplo, o agronegócio. Esta é uma realidade no país, responsável pelo crescimento das nossas exportações e o superávit na balança comercial.
Em Pernambuco, posso citar como novos pólos de criação de emprego no interior a vitivinicultura no São Francisco, o pólo gesseiro, as médias e pequenas indústrias do Distrito Industrial de Caruaru, o pólo sulanqueiro de Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, que já é um eixo importante no setor da indústria de vestuário no Nordeste, a retomada da cultura algodoeira no Agreste Setentrional, a caprinocultura e a ovinocultura em Serra Talhada e sertões do Pajeú e Moxotó e o crescimento do setor de serviços, incluindo a indústria hoteleira em Garanhuns.
Uma política de incentivos fiscais e de vantagens locacionais, voltada para o fomento do emprego no interior do país, faria que o país retomasse o crescimento do PIB. E nisso o papel de fomento do Governo, a todos os níveis, é fundamental.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 02 de junho de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net