PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
A VOLTA DA MAMONA

Por: Inocêncio Oliveira
O interesse pela mamona vem sendo renovado no objetivo estratégico de produzir um "diesel politicamente correto" - eu diria, um "diesel ecológico".
A volta da mamona

Inocêncio Oliveira

Pernambuco volta a apostar na cultura da mamona, que teve o seu auge nos anos 50 e 60 em todo o Estado e na região Nordeste. O governo do Estado, em conjugação com o governo Federal, pretende incentivar, inicialmente, o plantio de 17.000 hectares, aproveitando 34 toneladas de sementes selecionadas.

Naquela época - e entrados os anos 70 - o Estado produziu 58 mil toneladas de bagas/ano.

Tida, antes, como "uma cultura de fundo de quintal", a mamona foi esquecida pelos agricultores, em parte por efeito de sua toxidade na convivência com o criatório de gado bovino nas sub-regiões do Agreste e do Sertão.

Agora, procura-se delimitar o espaço da cultura de modo a não interferir nas áreas reservadas às pastagens e ao "pastoreio do gado". A perspectiva é de que a cultura atinja a produção de 25 mil toneladas de bagas neste ano, quantidade considerada suficiente para atender à demanda de duas plantas industriais de beneficiamento que existem nos municípios de Petrolina e Araripina.

O interesse pela mamona vem sendo renovado no objetivo estratégico de produzir um "diesel politicamente correto" - eu diria, um "diesel ecológico".

O biodiesel já vem sendo utilizado com sucesso em outros países. Na Alemanha, a partir de óleos e gorduras vegetais ou animais, associados a metanol ou etanol.

No Brasil, estudos da empresa Tecbio (Tecnologias Bio-energéticas Ltda) estendem-se ao babaçu e dendê. A expectativa é de que, com o plantio da mamona no Nordeste, seja criado 01 (um) emprego para cada 02 (dois) hectares de cultivo.

No panorama mundial, o mercado mostra-se receptivo, com a retração da produção da China. A ricinocultura poderá vir a ser uma nova fonte de divisas para o país, sem o risco de tornar-se gravosa, pois os concorrentes - Índia, entre outros - não têm as potencialidades do Nordeste brasileiro.

À medida que aumenta o interesse dos agricultores, novas indústrias poderão instalar-se na região, garantindo, também, um mercado local.

O panorama do Nordeste não é só desolação pelas inundações recentes. Nem muitomenos cenário permanente do desespero das secas. No próprio semi-árido, há condições climatológicas para culturas agrícolas permanentes, como a palma e a mamona, que dão sustentabilidade aos agricultores e são fontes de emprego e renda.

DIARIO DE PERNAMBUCO 21/03/2004.
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net