PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

Por: Gilberto Lago – Médico Veterinário- BS e José Wellington de S. Lafayette – Médico Veterinário- BS.
PEQ 2000

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS*


1. MANEJO REPRODUTIVO
É o conjunto de medidas voltadas para a melhoria do desempenho zootécnico e econômico do rebanho. Para que um programa de manejo reprodutivo seja eficiente e seus objetivos alcançados, devem ser cumpridas algumas exigências:

1- levantamento das condições sanitárias e alimentar;

2- capacitação da mão-de-obra;

3- eficiência na identificação dos animais.



2. PUBERDADE E MATURIDADE SEXUAL
A puberdade e a maturidade sexual são termos de significados diferentes.



2.1. Puberdade - é definida como o momento em que o animal mostra capacidade de se reproduzir, podendo ser: fisiológica e zootécnica. A puberdade fisiológica ocorre na idade de três a quatro meses, em criatórios com manejo adequado. A puberdade zootécnica ocorre quando os animais estão aptos para a reprodução ao atingirem a idade de 10 a 12 meses (1ª muda).



2. 2. Maturidade sexual - é definida como o momento em que o animal alcança sua completa capacidade reprodutiva.



3. CICLO ESTRAL E ESTRO (CIO)

É o período compreendido entre dois cios, durante o qual ocorrem profundas modificações hormonais, atuando em todo o organismo animal, particularmente sobre o aparelho genital e comportamento da fêmea. Tem intervalos de 20 a 21 dias, dividindo-se nas seguintes fases:


3.1. PROESTRO – período em que a cabra mostra-se agitada, mas ainda não aceita a “monta”. Antecede ao cio e tem duração média de 24 horas.



3.2. CIO OU ESTRO – período em que a fêmea aceita o macho e deixa-se montar. Tem duração aproximada de 30 a 32 horas.



3.3. METAESTRO – tem início no momento em que a fêmea passa a recusar a monta. Nessa fase ocorre a ovulação, de 12 a 36 horas após o início do cio. O final do metaestro corresponde à formação de um ou mais corpos lúteos nos ovários.



3.4. DIESTRO - nessa fase a fêmea recusa a monta e corresponde ao período em que os corpos lúteos permanecem funcionais, sendo a fase mais longa do ciclo estral (17 a 18 dias). Após esse período, os corpos lúteos, normalmente, regridem. Os ovários sofrem novo estímulo e se reinicia o ciclo com o proestro.



4. SELEÇÃO DE ANIMAIS PARA REPRODUÇÃO:



Reprodutores e Matrizes

A escolha de bons reprodutores e matrizes constitui a base fundamental para a exploração da caprinocultura. O sucesso da atividade dependerá das respostas dadas pelos animais e das condições a eles oferecidas. Dessa maneira, alguns pontos deverão ser observados quando da escolha e seleção dos animais:

1- saber se os animais são adaptados para as condições climáticas da região;

2- adquirir animais com a aptidão que se pretende;

3- escolher animais de boa capacidade reprodutiva;

4- escolher animais de boa caracterização racial, de bom vigor e boa conformação;

5- escolher animais de bom desenvolvimento em relação à idade;

6- escolher um reprodutor que apresente uma boa libido;

7- escolher animais livres de defeitos e doenças infecto-contagiosas.

5. ESTAÇÃO DE REPRODUÇÃO
A eficiência reprodutiva de um rebanho é o resultado da interação do patrimônio genético dos indivíduos e do meio-ambiente. Este deve ser manipulado adequadamente pelo homem na tentativa de oferecer melhores condições de exploração e, conseqüentemente, alcançar maiores índices de produção.

A escolha da época para a realização da estação de reprodução deve estar baseada nas condições climáticas da região, capacidade de reprodução do macho e da fêmea e na disponibilidade de alimento durante os períodos de nascimento das crias e da lactação.

A época do ano destinada à estação de monta, quando se objetiva um parto ao ano, deverá ter início 90 a 100 dias antes do começo do período invernoso, dispensando dessa maneira os cuidados com a nutrição da matriz, pré e após o parto. Entretanto a preocupação com a alimentação dos cabritos após o desmame deverá existir.

Quando se pensar em três partos em dois anos, o período das estações de monta deverá ser alicerçado pelas condições locais e regionais, não esquecendo de adotar um adequado manejo sanitário e nutricional antes e durante as épocas de cobertura. Cuidados especiais devem ser dados ao terço final da estação e após o parto. Esse sistema visa a um melhor aproveitamento do potencial reprodutivo das fêmeas através da redução do intervalo entre partos, de 12 para 8 meses. Recomenda-se a estação de monta com duração de 42 a 45 dias e o desmame das crias aos 90 dias de idade.



6. SISTEMAS DE ACASALAMENTO
De acordo com o sistema de criação, poderá ser utilizada a monta natural, monta natural controlada e a inseminação artificial.



6.1. MONTA NATURAL a cabra são deixadas constantemente com os machos, ocorrendo coberturas sem qualquer controle por parte do criador. Esse tipo de acasalamento é usado em criações extensivas.



6.2. MONTA NATURAL CONTROLADA - nesse sistema de acasalamento, é necessária a detecção do cio através da utilização de “rufiões”, sendo cobertas as fêmeas identificadas.



6.3. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL - ato realizado pelo homem, que tem a finalidade de introduzir sêmen nas vias genitais da fêmea.



7. CUIDADOS COM A GESTAÇÃO

A gestação na cabra dura, aproximadamente, 150 dias, com variações de 146 a 152 dias. Esta variação é por interferência da raça, idade, estado de nutrição e número de crias por parto.

A cabra em gestação torna-se muito sensível e, por isso, é necessária uma série de cuidados para evitar que ela perca a cria.

Essas cabras devem ser protegidas contra chuvas fortes, frio excessivo, movimentos violentos e longas caminhadas. A vermifugação deve ser evitada, sabendo-se do risco de aborto.

As cabras criadas em nível de campo devem ser recolhidas ao aprisco, quando próximas ao parto. À medida que a gestação se aproxima do fim, as necessidades nutricionais da matriz aumentam.



8. PARTO

Sintomas do parto: a matriz procura um local tranqüilo, mostra-se inquieta e após algumas contrações, a bolsa d’água surge e estoura, dando passagem às patas dianteiras da cria. Em casos raros poderá haver primeiro a apresentação da parte posterior da cria.



9. CUIDADOS COM AS CRIAS

Após o nascimento, a cabra lambe o seu filho até enxugá-lo. Se isto não ocorrer, o criador deverá fazê-lo com um pano limpo e seco.

Em seguida, desinfetar o cordão umbilical com álcool iodado.

O cabrito deverá mamar o colostro, pelo menos durante as primeiras 72 horas de vida.

Proteger os animais contra correntes de ar e chuvas para evitar complicações pulmonares.

Manter lotes de cabritos com idades semelhantes, evitando que crias de lotes diferentes se misturem, prevenindo assim acidentes e transmissão de doenças.



10. DOENÇAS DA REPRODUÇÃO



10.1. Brucelose - doença causada pela Brucella mellintensis. Sintomas: aborto no último trimestre, retenção da placenta, esterilidade e testículos inflamados. Tratamento: não há.



10.2. Vibriose - doença causada pelo Vibrio foetus. Sintomas: aborto no último trimestre, estro prolongado. Tratamento: uso de antibióticos.



10.3. Tricomoníase - doença causada pelo Trichomonas fetus. Sintomas: aborto no primeiro trimestre, ciclos estrais irregulares. Tratamento: eliminação dos machos infectados.



10.4. Leptospirose - doença causada pela Leptospira pomona. Sintomas: aborto, icterícia, mastite e urina com sangue. Tratamento: vacinação e isolamento de possíveis portadores.



10.5. Mastite - doença causada por vários agentes, bactérias e vírus. Sintomas: úbere inflamado e impedido de sua função. Tratamento: uso de antibióticos.



10.6. Epididimite - doença causada pela Brucella mellintensis. Sintomas: testículos inflamados. Tratamento: não há.



10.7. Micoplasmose - doença causada pela Mycoplasma. Sintomas: inchaço das articulações, tosse, corrimento nasal, febre, mastite, inflamação nos olhos. Tratamento: uso de antibióticos.



10.8. CAEV - doença causada por vírus. Sintomas: inchaço das articulações, febre, paralisia de um dos membros e mastite. Tratamento: não há.



11. EFEITO DA ALIMENTAÇÃO NA REPRODUÇÃO

A alimentação correta é um dos fatores responsáveis pela eficiência reprodutiva do rebanho, tanto para animais jovens quanto para adultos, exercendo acentuada influência em:

1- idade da puberdade;

2- aparecimento de cios;

3- desempenho sexual do reprodutor;

4- produção de leite;

5- número de crias/parto.




© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net