PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
A CONVIVÊNCIA COM A SECA

Por: Deputado Federal Inocêncio Oliveira
A seca voltou, mais uma vez, ao Nordeste com os mesmos problemas e desafios que, por séculos, atingem as populações das regiões do Sertão e do Agreste de todo o semi-árido nordestino.
Publicado no DIARIO DE PERNAMBUCO no dia 02/11/2003

A convivência com a seca

Inocêncio Oliveira
Deputado Federal por Pernambuco (PFL)

A seca voltou, mais uma vez, ao Nordeste com os mesmos problemas e desafios que, por séculos, atingem as populações das regiões do Sertão e do Agreste de todo o semi-árido nordestino. Em Pernambuco, dezenas de municípios foram considerados ñem regime de emergênciaá e devem ser classificados, pela União, como em "situação de calamidade pública". Terão, assim, priorizadas a liberação de recursos e a suspensão do pagamento de tributos e outras obrigações, pois estas prefeituras não têm mais de onde tirar dinheiro para pagar despesas e compromissos financeiros com a União, o Estado e fornecedores.

Entre os municípios em situação de calamidade pública já declarada estão os municípios de São Bento do Una, Pesqueira e Ipubi. O governador Jarbas Vasconcelos incluiu mais 65 municípios. A Secretaria da Agricultura do Estado avalia que até o final do ano serão 118 municípios em situação crítica. A seca não espera pelos Governos nem pela burocracia. Avança, impiedosamente, calcinando a terra e matando de sede e fome gente e bichos.

Sabiamente, a Igreja Católica escolheu como tema da sua "Campanha da Fraternidade 2004" o problema do abastecimento d'água - sua captação, tratamento e consumo. O lema adotado é muito feliz: "Água, fonte de vida".

A questão da seca arrasta-se nas soluções paliativas do abastecimento através de carros-pipas ou da construção de cisternas e açudes, mas passa por cima do processo sistêmico de convivência do Homem com a Natureza. Já se escreveu e já se analisou tudo sobre as secas do Nordeste. O que mais falta? Decisão política de sistematizar as soluções e a pedagogia da convivência do Homem com o Meio, a exemplo do que, secularmente, fazem as populações do Hemisfério Norte com os invernos com a neve e o frio.

A água, na formulação da política de convivência do homem com as secas, no Nordeste, é um recurso estratégico e um bem comum, que deve ser compartilhado por todos. As projeções para o futuro, quanto ao uso da água, não são otimistas e servem de alerta aos Governos estaduais do Nordeste eao próprio Governo da União: em 2025, dois terços da população humana estarão vivendo em regiões com problemas de água, o que afetará o crescimento e a economia local e regional; a poluição da água continuará afetando os recursos hídricos continentais e as águas costeiras; o uso inadequado do solo afetará bacias hidrográficas nos continentes, águas costeiras e estuários. No caso do Brasil, esses problemas são gravíssimos, pois grande parte da população brasileira ocupa bacias costeiras ou está, no máximo, localizada a 100 km da costa.

É fundamental, portanto, que as medidas de assistência aos Municípios do Nordeste atingidos pelas secas levem em conta também a questão do gerenciamento da água e o desafio do enfrentamento da escassez no terceiro milênio. Uma nova ética para o uso da água deve considerar os aspectos fundamentais da biodiversidade dos ecossistemas aquáticos e sua proteção e manutenção. No caso do projeto de transposição das águas do rio São Francisco, por exemplo, antes de qualquer outra medidadeve vir a proteção de sua nascente e de seus afluentes e de todo o ecossistema que garanta a renovação do seu potencial hídrico. Administrar a água de modo responsável é assegurar o desenvolvimento sustentável, inclusive nos projetos de irrigação que se implantam ou se desenvolvem no Vale do S. Francisco.

© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net