PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
PROJETO CAATINGA

Por: Romulo Leão
PRESERVAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA, FORMAÇÃO DE AGENTES AMBIENTAIS OBJETIVANDO A PRESERVAÇÃO DO BIOMA E A QUALIDADE DE VIDA DOS SEUS HABITANTES.
PROJETO CAATINGA



PRESERVAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA, FORMAÇÃO DE AGENTES AMBIENTAIS OBJETIVANDO A PRESERVAÇÃO DO BIOMA E A QUALIDADE DE VIDA DOS SEUS HABITANTES.












PROJETO CAATINGA
PRESERVAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA, FORMAÇÃO DE AGENTES AMBIENTAIS OBJETIVANDO A PRESERVAÇÃO DO BIOMA E A QUALIDADE DE VIDA DOS SEUS HABITANTES.

PROPOSTA PEDAGÓGICA

MODULO I - Abordar conceitos, metodologias e técnicas de educação ambiental, procurando subsidiar jovens e adultos na condução de atividades de reflexão e conscientização sobre a meio ambiente e sua conservação, que sensibilize atores da educação escolar, que subsidie camponeses e esclareça sindicatos rurais.
.
INTRODUÇÃO:
A Educação é a chave, em qualquer caso, para renovar os valores e a percepção do problema, desenvolvendo uma consciência e um compromisso que possibilitem a mudança, desde as pequenas atitudes individuais e, desde a participação e o envolvimento com a resolução dos problemas.
A educação é o veiculo para a construção da cidadania, do novo pensar e da quebra de antigos paradigmas que possibilitam ao homem uma reflexão crítica de sua realidade e o livre arbítrio para a adoção de uma prática inovadora que possa favorecer o equilíbrio ambiental e que gere qualidade de vida.
Nesta perspectiva, a nova visão contempla o pensamento científico, que promove a possibilidade de reconstruir valores e o poder de gerar desenvolvimento sustentável, além de facilitar a compreensão de como preservar o bioma caatinga, minimizar o quadro de pobreza e garantir vida digna as futuras gerações.
Neste sentido, “para poder melhorar a situação é indispensável eliminar em si mesmo as atitudes erradas e os maus hábitos que levaram a atual situação. É preciso avaliar bem o que antigamente se fazia, para ver se isto levava, a longo prazo, a um benefício ou malefício para as pessoas e a natureza”. (Gerdei 2004, p. 48)
Portanto, um novo paradigma deve ressignificar à ciência, promover a construção de novos valores, os quais possam conduzir a uma nova perspectiva de desenvolvimento: o desenvolvimento sustentável, cujo conceito surge como alternativa de enfrentamento da crise sócio ambiental, tendo em vista que a considera em sua totalidade e complexidade. Propõe à reconstrução de valores, de responsabilidades éticas que promovam à justiça social, a democracia, a cidadania, a preservação da biodiversidade, diminuição da pobreza, enfim, que promova condições que garantam a humanidade viver com dignidade e assegure condições de sobrevivência as gerações futuras.
Nesse sentido, a Educação Ambiental se configura como um caminho possível a ser percorrido em busca de uma sociedade sustentável que levam a produção de conhecimentos articulados e a compreensão da interdependência das relações do homem com a natureza, pois como cita Morin(1999, p.42) “um conhecimento só é pertinente na medida em que se situe num contexto”.
A educação ambiental é, portanto, um instrumento necessário a nova maneira de pensar e agir na expectativa de acontecer o desenvolvimento sustentável, o respeito à diversidade biocultural e a promoção do homem.
Concluindo, percebo que a Educação Ambiental embora se depare com as incertezas produzidas por um longo processo histórico de construção cultural e científica, se apresenta como um instrumento muito importante para a consolidação de um estilo de desenvolvimento que seja realmente sustentável, democrático, com igualdade de oportunidades, respeito à diversidade biológica e cultural.

PROGRAMA


OBJETIVOS GERAIS:
Construir conhecimento ambiental numa dimensão coletiva na tentativa de buscar soluções que fortaleçam a vida do bioma caatinga e minimizem o êxodo rural nas áreas afetadas bem como inserir a UFRPE – Universidade Federal Rural de Pernambuco no contexto na forma de apoio técnico e de pesquisa e obter como produto final a realização de todas as metas em especial a implantação de um Viveiro de Mudas no intuito de preservar a vegetação da caatinga e implementar ações para a preservação do bioma na região do Submédio (Pernambuco/Bahia) promovendo ações para o desenvolvimento sustentável da região.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

· Ter uma visão geral dos problemas ambientais em todo o território do submédio São Francisco Pernambuco/Bahia, suas causas e conseqüências na vida presente e nas gerações futuras;
· Divulgar o Projeto estabelecendo parcerias com prefeituras e outras instituições das localidades alvo, obtendo articulações entre instituições governamentais e não governamentais promovendo o desenvolvimento do projeto e a implementação da proposta;
· Construir, colaborativamente, conhecimento ambiental, de acordo com os princípios da Educação Ambiental;
· Ter conhecimento dos marcos referenciais na questão ambiental e os documentos produzidos por eles, bases para nosso agir presente e futuro;
· Criar laços que vinculem a Educação Ambiental com a Ética, sendo que esta última deve estar presente no dia-a-dia da sociedade;
· Perceber-se como responsável pelas gerações presentes e futuras, buscando gerir uma Ética que contemple o Meio Ambiente objetivando construir sociedades sustentáveis;
· Partir para a ação, tendo conhecimento de metodologias específicas para a Educação Ambiental.













METODOLOGIA

A metodologia a ser utilizada é baseada na metodologia do proNEA, do PAM - Planos de Ações e Metas e do PRHBSF – Plano Decenal de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco e dividida em módulos. Estes foram elaborados de forma a se constituírem em espaços de reflexão, criação e construção do conhecimento, que reiteram a consagrada expressão pedagógica do “aprender fazendo”, onde se evidencia a importância da ação no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.
O pragmatismo estará presente nos encontros de reflexão, debate, apoio e demais momentos que envolvam a construção do saber ambiental contempla neste projeto.














JUSTIFICATIVA

Este trabalho propõe de uma forma despretensiosa, a apresentar uma abordagem geral do conhecimento em Educação Ambiental e Ética e apresentar um relato de observações feitas nas comunidades rurais, nas quais desenvolvemos o projeto que, entre outras atividades realizadas nas comunidades, envolve práticas de Educação Ambiental. Além disso, fazemos referência à formação crítica e reflexiva, capaz de trabalhar interdisciplinarmente nas escolas, tendo como eixo articulador as questões ambientais e a realidade local, de forma a construir novos valores, tornando-os conscientes e capazes de intervir sobre o ambiente e transformar a realidade local.
Este projeto pretende disponibilizar dados de degradação do bioma caatinga e alertar os seus habitantes sobre as conseqüências danosas geradas por práticas inadequadas de contribuir para uma nova forma de pensar, quando pretende envolver as escolas e faculdades da localidade na reflexão e crítica desta realidade na tentativa de incentivar a criação de atividades educativas voltadas para esta finalidade e que futuramente venham a fortalecer e dar continuidade às idéias aqui implantadas e possam, de fato, intervir sobre o ambiente e assim contribuir para a transformação da realidade local.







DESENVOLVIMENTO

Unidade 1 – O estado do Meio Ambiente em todo o território do submédio São Francisco Pernambuco/Bahia
A situação da água
· O consumo
· A escassez de alimentos
· Recursos naturais x conflitos
· Mudanças climáticas e aquecimento global
· A Biodiversidade

Unidade 2 – Desenvolvimento Sustentável
· Conceituações de Desenvolvimento Sustentável
· Meio Ambiente, sociedade e desenvolvimento sustentável
· Desenvolvimento sustentável nas grandes cidades
· A Sustentabilidade local e territorial frente à globalização
· O “Conhecimento” como caminho para a sustentabilidade

Unidade 3 - Marcos referenciais em Educação Ambiental
Primeiros movimentos em direção a uma Educação Ambiental
A Conferência de Estocolmo
A Carta de Belgrado
A Conferência de Tbilisi
O Congresso de Moscou
A Eco-92
Unidade 4 – Educação Ambiental e Ética
· O Desenvolvimento
· As conseqüências na relação Homem-Natureza
· A alternativa ecofeministaÉtica e Educação Ambiental
· Educação Ambiental e as políticas públicas

Unidade 5 – Princípios para uma Ética Ambiental
· A criação da cidade e a relação com a natureza
· Novos imperativos para as ações humanas
· O princípio responsabilidade
· Uma nova Ética para novas realidades
· Nossa responsabilidade para com as gerações futuras
· O perigo das visões reducionistas
· A dimensão do cuidado
· O modo-de-ser
· Uma relação fraternal com a natureza

Unidade 6 – Metodologias para projetos de Educação Ambiental
· Planejamento, Processo, Produto
· Diagnóstico para a resolução de problemas
· Estudo de caso

AVALIAÇÃO

1. Participação em aula: A avaliação do desempenho do aluno no curso será baseada na freqüência e participação de todas as atividades propostas, bem como na relevância e qualidade de sua participação nas discussões.
2. Exercícios auto-avaliativos: Número de acertos nos exercícios de auto-avaliação disponíveis em cada unidade.
3. Trabalho Final: O trabalho escrito, a ser entregue no final do curso, será avaliado de acordo com o conteúdo, o contexto e a qualidade da elaboração observando:
· Mapeamento das localidades bem como suas necessidades básicas e o estado atual do meio ambiente e da população;
· Subsídios para implementação do projeto;
· Sugerir meios para a conscientização da população local nas questões relativas a conservação e manejo adequado aos recursos naturais (através de palestras, oficinas e encontros);
· Sugerir ações que fortaleçam o combate ao desmatamento do bioma caatinga e estabelecer um sistema de avaliação continuada das ações do impacto promovido por estas atividades.

DURAÇÃO:
Aproximadamente 4 meses, composto por 6 unidades.

CURSO MODULAR:
Aulas ministradas em espaços públicos totalizando 24 horas aulas e oficinas 8 horas aulas.

DIPLOMA:
Outorgado pela CEASP, MMA e outros parceiros

PÚBLICO ALVO:
· Trabalhadores rurais;
· Produtores rurais de áreas ribeirinhas;
· Estudantes de escolas públicas e da rede de ensino privadas;
· Extrativistas;
· Empresários;
· Gestores públicos municipais

INSCRIÇÃO
Número de vagas: 25
Data de inscrição: Ao iniciar o módulo
Local: Prédios públicos por localidades
Requisito: pessoas que demonstrem interesse na preservação do meio ambiente a serem julgados pela comissão de seleção.


DOCUMENTO PARA INSCRIÇÃO:

§ Histórico escolar
§ Cédula de identidade
§ Requerimento de inscrição


SELEÇÃO E MATRÍCULA
Critério: Análise do teste de conhecimentos
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net