PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
BRASIL MAIOR EXPORTADOR DE CARNES

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
Há 40 grandes empresas exportadoras no Brasil, destacando-se, em primeira linha, a Sadia, a Perdigão, a Seara, a Frangosul, a Bertin, a Aurora, a Avipal, Moinhos Cruzeiro do Sul, entre as principais que detêm boa parte do mercado externo.
O Sr. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE) Pronuncia o seguinte discurso: – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: O Brasil se transformou de uns tempos para cá, e apesar das tentativas de desestabilização no campo promovidas pelos movimentos – hoje vários – dos chamados “sem terra”, no maior exportador mundial de carnes, à frente mesmo da Austrália, que antes dominava o mercado. Já é o segundo maior fornecedor de carnes de frango, o terceiro de carne bovina e o quarto de suina. As exportações do chamado “complexo de carnes” poderão atingir cerca de 5 bilhões de dólares em 2005. Em 2002, alcançaram 3,1 bilhões de dólares.

São vários e muito favoráveis os fatores que concorrem para essa posição privilegiadíssima do Brasil: condições de clima, extensas áreas de pasto, baixos custos de manejo e produção, modernas técnicas de criação, monitoramento da saúde animal para prevenir doenças, principalmente a aftosa, e tecnologia avançada no abate e acondicionamento dos produtos.

Há 40 grandes empresas exportadoras no Brasil, destacando-se, em primeira linha, a Sadia, a Perdigão, a Seara, a Frangosul, a Bertin, a Aurora, a Avipal, Moinhos Cruzeiro do Sul, entre as principais que detêm boa parte do mercado externo.

As perspectivas de novos negócios com a Rússia e a entrada da China, mais agressivamente, no circuito comercial do Brasil, são muito otimistas para o setor, nos próximos meses.

Vê-se que o agronegócio floresce no País e isto a despeito de uma certa prevenção de alguns círculos oficiais que identificam o pecuarista e o lavrador com os bastiões do “reacionarismo” e do “conservadorismo” rural, desconhecendo que o setor primário brasileiro detém uma avançada tecnologia e é objeto de estudo e análise nos Estados Unidos e na “Europa dos 15” agora, “dos 25”.

Não é sem razão que se assestam as baterias dos países concorrentes contra o agronegócio do Brasil, mas estamos nos impondo nos foros internacionais. Exemplo disso foi a recente decisão da OMC – Organização Mundial do Comércio ao julgar que o Brasil está certo em pedir modificações nos bilionários subsídios que os Estados Unidos concedem aos seus produtores de algodão. A cotonicultura brasileira voltou a crescer e o Pais está em condições de abastecer o mercado têxtil interno, o que antes não ocorria.

Os subsídios nos EE UU funcionam como um poderoso redutor de preços nas exportações, e por essa razão, os norteamericanos conseguiram uma parcela de 40% do mercado mundial de algodão.

Se a situação da cotonicultura brasileira é vulnerável ao “dumping” do produto norteamericano subsidiado, o que se dirá do algodão do Benin e de Burkina Fasso, países que dependem desse produto para os seus orçamentos públicos?

O PIB agropecuário do Brasil é uma das fontes do nosso otimismo quanto ao futuro econômico do País. Apesar das restrições à entrada dos nossos produtos na Europa e nos Estados Unidos, o PIB agropecuário do Brasil cresceu, dizem as publicações especializadas, cerca de 31,4% em 2003. Nas exportações essa participação é crescente: no ano passado, os embarques para o exterior atingiram 30,7 bilhões de US$, representando cerca de 42% das vendas externas. A produção agrícola poderá chegar ao nível de 125,5 milhões de toneladas em 2004, mais do que em 2003.

Por todas essas razões, Sr. Presidente, quero congratular-me com a ação do Itamaraty junto à OMC e nas rodadas de Doha, iniciadas há 2 anos e meio no Catar, e também com a política seguida pelo Ministério da Agricultura, só tendo a lamentar que o Governo não venha agindo, com mais firmeza, na contenção dos movimentos de invasão de terras e constrangimento aos produtores rurais, em todo o País.

Muito obrigado!

Sala das Sessões, 04 de maio de 2004.


Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net