PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
DIA DE CAMÕES E DA LINGUA PORTUGUESA

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
10 de junho, comemora-se o “Dia de Camões, da Língua Portuguesa, de Portugal e das Comunidades Portuguesas.
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: No próximo dia 10 de junho, comemora-se o “Dia de Camões, da Língua Portuguesa, de Portugal e das Comunidades Portuguesas”. E por isso quero, desta tribuna, saudar os milhares de cidadãos portugueses que vivem e trabalham no Brasil, compartilhando da vida nacional, na qualidade de residentes fixos, temporários ou com dupla cidadania, com os direitos que a nossa Constituição lhes assegura, e que lhes foram atribuídos desde a primeira Constituição de 1824. Mas é à comunidade portuguesa e de luso-descendentes de Pernambuco que desejo saudar, especialmente, nesse 10 de junho, pois estamos todos a comemorar, portugueses e brasileiros, neste ano, o 350º aniversário da Restauração Pernambucana, movimento que expulsou das terras do Nordeste do Brasil o invasor flamengo e impediu que o nosso território fosse fracionado.
Reunificado o Brasil e restaurados os nossos valores de cultura e civilização – a luso-brasileira – à base da língua comum, o português, prosseguimos na construção da nacionalidade até a independência política em 1822, feita por um príncipe português, D. Pedro I que, ao renunciar ao trono brasileiro, voltou a Portugal e lá se fez rei outra vez, como D. Pedro IV, deixando, ao morrer em Queluz, como sucessora, a brasileira Dona Maria da Glória, que assumiu o trono como D. Maria II.
A utopia de D. Pedro I que, no íntimo, seria a do próprio pai, D. João VI, segundo mostra Oliveira Lima no seu estudo clássico “D. João VI no Brasil”, seria de unir os dois reinos, as duas pátrias, Brasil e Portugal, numa federação política, cumprindo aquela idéia do diplomata Dom Luís da Cunha, transmitida no século XVIII ao Rei Dom João V: “Convido Vossa Majestade a governar de costas para a Europa e de frente para a América, com os olhos postos no Brasil.”
Relembro esses fatos, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, para mostrar como foram inter-relacionados os dois países, no plano político institucional, até a segunda década do século XIX. E, hoje, contamos entre nós com cerca de 1,5 milhão de portugueses e luso-descendentes. E, em Portugal, na atualidade, estão vivendo e trabalhando, aproximadamente, 125 mil brasileiros nos mais diversos setores da atividade econômica – da construção civil ao exercício da medicina e da publicidade – constituindo naquele país a segunda comunidade estrangeira, depois dos ucranianos, sendo que muitos desses brasileiros usufruem os direitos de dupla cidadania e até de dupla nacionalidade assegurados pela Constituição portuguesa e ratificados pelos dois países em 1972. São todos participantes da vida e também da história das duas pátrias.
Ora, quem diz língua portuguesa, diz Camões, expressão matriz da cultura que nos veio da Península Ibérica, com a identidade latina, pois foram os romanos que nos deram o idioma, a língua, “última flor do Lácio, inculta e bela”. De Latium, latino, Lácio, região da Itália onde se forjou a língua original.
No Novo Mundo, processou-se um caldeamento cultural no qual as contribuições do índio e do africano foram fundamentais para a formação da família e da pátria brasileiras, como bem analisaram Gilberto Freyre em Casa Grande & Senzala e Sérgio Buarque de Holanda, em Raízes do Brasil, sem esquecer Manoel Bonfim no seu notável ensaio O Brasil Nação – Realidade da Soberania Brasileira, publicado nos idos de 1930, também Viana Moog, em Bandeirantes e Pioneiros, Raymundo Faoro, em Os Donos do Poder, Celso Furtado em Formação Econômica do Brasil e Caio Prado Júnior, com Formação do Brasil Contemporâneo.
O escritor Álvaro Lins, pernambucano de Caruaru e que foi nosso Embaixador em Lisboa, nomeado pelo Presidente Kubitschek, disse, certa vez, que Os Lusíadas não foram apenas, como poema épico, a realização pessoal de um artista. “Representou (o poema)” – afirmou Álvaro Lins – “a coroação individual de uma “obra coletiva” pelo poder de expressão de um poeta. Miguel Torga, médico e poeta, definiu o soldado – poeta que foi Camões nestes versos imorredouros: “Charmar-te gênio é justo, mas é pouco/Chamar-te herói é dar-te um só poder/ Poeta dum império que era louco/Foste louco a cantar e louco a combater.”
Camões foi a representação de um povo, sua síntese, no século XVI, galvanizando a alma nacional portuguesa que vinha de Al Jubarrota, da sua afirmação frente a Castela, diferenciando-se na Península Ibérica dos castelhanos, asturianos, galegos e vascos, como povo. O que é admirável é que essa língua que falamos, consolidada em Os Lusíadas e já livre de castelhanismos, foi transplantada aos “Novos Mundos no Mundo”, numa das maiores epopéias de todos os tempos, os descobrimentos marítimos.
No Brasil, assistiu-se ao milagre da unificação territorial, o que não ocorreu na América espanhola, com um legado que nos deixaram de um imenso território: 8 milhões e 500 mil quilômetros quadrados, cujas fronteiras consolidadas foram obra de militares portugueses, dos nossos bandeirantes e, no plano político, dos nossos diplomatas no século XIX e nos princípios do século XX, de um Rio Branco, de um Joaquim Nabuco, mas tendo em conta o legado da base física, e militar, que o português deixou, inclusive na Amazônia, nas embocaduras dos nossos rios onde construiu fortes e fortalezas, e nos sertões do oeste brasileiro.
Já se disse que a história chega tarde para dar sentido à vida de um povo. No caso português, chegou cedo com a expansão marítima à América e às Índias. Hoje, integrado à Europa, Portugal não esquece, todavia, as suas projeções atlânticas: e, no Brasil, o temos como um dos maiores investidores, quer na área bancária, quer nos setores elétrico, hoteleiro, na construção civil, no comércio atacadista e varejista.
No plano econômico, parece confirmar-se aquele vaticínio de Joaquim Nabuco, quando escreveu sobre Os Lusíadas e as praias onde Camões naufragou: “As duas praias (em Os Lusíadas) que parecem destinadas a unir são as da Europa e Ásia, senão as da Europa e América, porque essa é a epopéia do comércio e da indústria, o poema da idade moderna, coisas em que o papel da América é e haverá de ser muito mais importante do que o da Ásia.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 08 de junho de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net