PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
Leonel de Moura Brizola

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
Cada século tem suas luzes, suas estrelas e seus cometas
O Sr. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE) Pronuncia o seguinte discurso: – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Cada século tem suas luzes, suas estrelas e seus cometas. Leonel de Moura Brizola manteve a chama acesa durante toda a trajetória de sua existência como homem público. Parlamentar, prefeito, governador, dirigente partidário, conspirador, líder carismático, Brizola foi um autêntico animal político na concepção aristotélica e filosófica da palavra, na busca do bem comum, na devoção à vida pública e no sentimento de fidelidade aos seus ideais.
Nesta tribuna parlamentar, cabe reverenciar a figura do eminente brasileiro e evidenciar alguns traços do seu perfil humano e político.
O nome de batismo, Itajiba – braço forte, na linguagem da terra --, logo rebatizado na infância, veio da tradição dos maragatos nos Pampas gaúchos, rebeldes que lutavam contra a centralização dos poderes da República e fizeram a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul em 1893. Leonel era filho do velho maragato José Brizola, que lutou ao lado dos federalistas e morreu quando o filho tinha apenas 1 ano de idade em 1923. Ao aprender as primeiras letras com sua mãe dona Onívia, o garoto Leonel aprendeu também lições de civismo e espírito público.
Engenheiro de formação acadêmica, era um político por vocação e devoção. Bravura cívica e patriotismo eram suas marcas.
O trabalhista Leonel Brizola está sempre associado à figura de Getúlio Vargas como seu herdeiro político. Getúlio hoje pertence à galeria dos estadistas brasileiros e Brizola sobressai-se como um dos influentes líderes políticos dos últimos 60 anos no Brasil. Getúlio veio da Revolução dos Tenentes em 1930 e da Revolução Industrial do começo do século passado, sendo criador do trabalhismo clássico de inspiração européia. Brizola bebeu na fonte das tradições republicanas, recebeu o batismo do trabalhismo getulista e moldou um novo trabalhismo de feições socialistas, chamado de socialismo moreno. De formação cristã, era avesso ao materialismo marxista-leninista, mesmo sendo um dos expoentes das esquerdas brasileiras.
O conspirador Leonel Brizola revelou-se um bravo legalista ao liderar em 1961 a campanha pela posse de João Goulart na Presidência da República face à renúncia de Jânio Quadros. Governador do Rio Grande do Sul, Brizola liderou figuras proeminentes da vida nacional em favor da posse de Jango e mobilizou a opinião pública através do rádio, principal veículo de comunicação na época, através da Campanha da Legalidade. Foi o principal responsável por barrar uma ruptura institucional do regime.
Depois de tentar resistir ao movimento militar de 1964 e ser dissuadido por Jango a ir para o exílio, Brizola foi criar ovelhas no Uruguai. Mas, fazia questão de dizer, além de criar ovelhas e pacificar os rebanhos, continuava a conspirar. A volta de Brizola ao Brasil depois da anistia em 1964 assinalava sua nova trajetória como articulador partidário ao recriar o PTB, depois transformado em PDT.
Guardo um sentimento de estima e admiração pelo líder trabalhista Leonel Brizola em suas relações com esta Casa do Congresso Nacional. Eleito Presidente da Câmara dos Deputados em 1993, tive a honra de contar com o estímulo de Leonel Brizola ao manifestar simpatia por meu nome. Ao ser candidato novamente a Presidente da Casa no ano 2000, contei com o apoio do doutor Leonel Brizola.
O sociólogo Darcy Ribeiro, outro eminente brasileiro que nos honrou com sua presença no Senado Federal, costumava dizer que Brizola era um leitor de criaturas humanas, lia pessoas mais que livros. Daí sua intuição e reflexo da sabedoria popular.
Gaúcho de nascimento, era um telúrico que amava sua terra e se fez brasileiro de todas as latitudes.
O bom combate, a peleja ou a peleia, como dizem os gaúchos, era seu ofício. Por isso dizia que continuava na raia sem se aposentar e feito cavalo inglês só morria na cancha.
Manifesto minhas reverências, admiração e respeito pelo eminente brasileiro, líder, patriota e nacionalista Leonel de Moura Brizola.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 22 de junho de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA



© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net