PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
DIA INTERNACIONAL DA ÁGUA

Por: Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
O Brasil, felizmente, já tem uma política de águas (“Lei das Águas”, a Lei 9433/97) e conta com um arcabouço jurídico-institucional dos mais modernos do mundo, inclusive uma Agência Nacional de Águas (ANA), desde final de 2000.
O SR. INOCÊNCIO OLIVEIRA (PFL/PE pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados: Volto a tratar mais uma vez do problema da água, como um dos grandes desafios do futuro. O Brasil que dispõe de uma das maiores reservas hídricas do planeta tem uma responsabilidade iniludível no plano mundial de preservar e manter os seus ricos mananciais e defendê-los, estrategicamente, pois os espertos registram, no âmbito da ONU, que mais de 2 bilhões de habitantes da terra poderão ficar sem acesso à água, em quantidade e qualidade desejável para sua sobrevivência, por volta de 2050.
Apesar dessa enorme quantidade de água no planeta – 13,6 bilhões de km² - 97,2% referem-se aos oceanos e 2,15% às calotas polares. Restam, então, para os habitantes desta pobre terra, apenas 0,7% da água existente, sendo que desse total, 0,62% é água subterrânea, que deve ser retirada do subsolo a custos nem sempre baixos.
Não quero tomar tempo com estatísticas alarmantes, mas o fato (ainda segundo relatórios da ONU) é que cerca de 3 milhões de crianças morrem prematuramente por falta de acesso à água de boa qualidade e de um ambiente saneado e centenas de rios têm seus cursos comprometidos com obras hidráulicas. Várias espécies de peixes, mamíferos e pássaros, que vivem em águas doces ou delas dependem, estão ameaçados, na África, Ásia e América Latina.
O Brasil, felizmente, já tem uma política de águas (“Lei das Águas”, a Lei 9433/97) e conta com um arcabouço jurídico-institucional dos mais modernos do mundo, inclusive uma Agência Nacional de Águas (ANA), desde final de 2000.
Mas, alguns temas preocupam estudiosos e políticos relativamente à política de água no país: a hidroeletricidade e suas perspectivas de desenvolvimento e sustentabilidade; a água e a indústria química, no meio ambiente; a gestão dos recursos hídricos na siderurgia: o conflito do uso das águas de Furnas; a irrigação no Sertão do Nordeste e o uso das águas do Rio São Francisco para geração elétrica.
A irrigação na bacia do rio São Francisco, introduzida pelo Governo Federal a partir de meados de 1970, abriu, seguramente, novas perspectivas de desenvolvimento sócio-econômico no Nordeste e, na atualidade, desperta interesse de grandes grupos de investidores nacionais e internacionais no agronegócio. Quero referir-me a um dos mais recentes : os produtores portugueses do vinho Dão, que criaram uma empresa a Dão Sul para explorar o cultivo de castas de uvas européias na região, associada ao grupo Raymundo da Fonte, de Pernambuco, depois de terem prestado consultoria ao grupo Miolo, do Rio Grande do Sul, que está, também, vitoriosamente instalado no Vale do São Francisco. Contudo, o projeto de transposição das águas do rio São Francisco para outros estados do Nordeste suscita controvérsias e ainda não está tecnicamente formatado.
Em Pernambuco – e já manifestei essa minha preocupação ao Governador Jarbas Vasconcelos, por diversas vezes – temos rios muito importantes, como o Pajeú, Brígida, Moxotó, Ipojuca, Ipanema, Una, Tapacurá, Capibaribe, Capibaribe-Mirim, Beberibe – que precisam de ser preservados em suas nascentes e cursos, para a manutenção do equilíbrio ecológico e da biodiversidade na região.
Junto-me, Sr. Presidente, à preocupação dos Srs. Bispos da Igreja Católica no Brasil neste ano dedicado à “água, fonte de vida”, porque a “Lei das Águas” tem um processo longo e difícil para ser implementada e, que passa, necessariamente, pelo apoio dos Prefeitos e dos Governadores, conscientizados de que só uma ação conjunta poderá evitar a degradação ambiental e o comprometimento do nosso patrimônio hídrico.
Muito obrigado!
Sala das Sessões, em 24 de março de 2004.

Deputado INOCÊNCIO OLIVEIRA
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net