PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
CORNÉLIO SOARES

Por: Seu filho : Antônio Soares - advogado
Eram os "coronéis" homens nascidos para liderar, verdadeiros varões. Era Cornélio Soares um desses homens.

Eram os "coronéis" homens nascidos para liderar, verdadeiros varões. Era Cornélio Soares um desses homens.

Cornélio Soares


Pernambuco lembrou nesse mês de agosto de 2005 o cinqüentenário da morte do "coronel" Cornélio Soares, um dos mais autênticos representantes do fenômeno sociológico denominado coronelismo ocorrido nos sertões do Nordeste. Numa época em que a presença do Estado era praticamente nenhuma nos sertões, o "coronel" assumia a responsabilidade pelas ações que seriam de responsabilidade dos governantes.

Eram os "coronéis" homens nascidos para liderar, verdadeiros varões. Era Cornélio Soares um desses homens. Possuidor de grande carisma, tornou-se naturalmente o grande líder do município onde chegou com dois anos de idade e viveu toda sua existência: Serra Talhada, antiga Vila Bela. De sua índole pacífica e seu espírito pacificador beneficiou-se Serra Talhada para se transformar na cidade grande e progressista que é hoje, pólo comercial de todo o vale do Pajeú.

Deixou Cornélio Soares, de dois casamentos - o primeiro com Cecília Diniz e o segundo com Úrsula de Carvalho Soares - numerosa prole: 16 filhos, hoje desdobrada emdezenas de netos e bisnetos.

Como todo "coronel" sertanejo, liderou uma facção política, representada pelo Partido Social Democrata (PSD), que tinha como chefe máximo em Pernambuco seu conterrâneo e primo Agamenon Magalhães, de quem foi aliado durante toda a vida. Líder inconteste em Serra Talhada, quem mandava no PSD municipal era Cornélio Soares. O governador Agamenon Magalhães mandava no Estado, quem dava as ordens em Serra Talhada era ele,

Líder político inconteste do município, foi prefeito uma única vez. Não gostou e preferia ficar indicando correligionários para o cargo. Tinha uma característica: nunca comprou votos. Contra esse processo se valia de um argumento que, principalmente nos dias de hoje parece se comprovar: dizia que voto comprado vai cair nas mãos do adversário.

Dele, escreveu o escritor e jornalista Nilo Pereira: "Não sabia dizer as coisas por meios termos. Cornélio Soares era o caráter sertanejo no seu primitivismo autêntico. Era escravo do que prometia. E tinha o gosto um tanto quixotesco de servir a quem quer que o procurasse; foi isso que o transformou num pai de todos naquela sua Serra Talhada, onde deixou a marca profunda de sua personalidade de sertanejo vivido e provado".

O historiador Luiz Wilson, no seu clássico livro "Velhos e Grandes Sertanejos", ocupou-se de sua biografia: "respeitável sertanejo... de coração e mãos abertas a todo mundo... sempre fez favores a quantos o procuraram... foi industrial, comprador de algodão, fazendeiro e proprietário... no seu enterro tinha aproximadamente seis mil pessoas, quase todas chorando... fazia favores apenas pela vontade de servir, principalmente nas horas difíceis".

Cornélio Aurélio Soares Lima nasceu na cidade de Salgueiro, no dia 14 de setembro de 1886, filho do abastado comerciante Tibúrcio Valeriano Gomes Lima e de sua mulher Lucinda Soares Lima, irmã do "coronel" Veremundo Soares. Aos dois anos de idade, Cornélio ficou órfão, razão pela qual seu pai se transferiu para a vizinha cidade de Serra Talhada. Um ano depois seu paise casou com Maria Parente de Godoy e Cornélio não ganhou uma madrasta, mas uma segunda mãe. Aos 21 anos, com a morte dos pais, como filho mais velho, assumiu a direção das fazendas e lojas da família, funções que desempenhou com bom êxito até falecer em 1955, aos 68 anos de uma vida profícua.

Esse homem foi o meu pai.

Publicado no Diario de Pernambuco - OPINIÃO -
em 27/08/05.

© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net