PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
JUVENTUDE, POLÍTICA E CULTURA

Por: Fundação Perseu Abramo
Ser jovem, segundo os jovens é : Ter liberdade para se divertir, com o adiamento ou minimização de responsabilidades familiares e financeiras.
CANDIDATOS E CIDADÃOS


JUVENTUDE, POLÍTICA E CULTURA
(publicado em Teoria e Debate, revista da Fundação Perseu Abramo, nº 45, jul/ago/set 2000).


Duas idéias básicas costumam estar presentes nas concepções modernas de juventude: a primeira consiste em considerá-la uma fase de passagem no ciclo da vida, situada entre o período de dependência, que caracterizaria a infância, e a posterior autonomia adulta. A segunda é a que atribui aos jovens uma predisposição natural para a rebeldia, como se fossem portadores de uma essência revolucionária. Neste artigo pretendemos problematizar essas noções à luz dos resultados de uma pesquisa quantitativa realizada pelo Núcleo de Opinião Pública (NOP) da Fundação Perseu Abramo (FPA), em novembro passado, junto a jovens (15 e 24 anos) residentes nas 9 regiões metropolitanas do país e Distrito Federal (ver explicação metodológica no anexo) – um estudo que dá continuidade ao projeto fundador do NOP, de investigação do imaginário social brasileiro.
A concepção de juventude como passagem parte do reconhecimento de que se trata de um período de transformações e por isso de buscas e definições de identidade, de valores e idéias, de modos de se comportar e agir. Disto decorre a percepção da juventude como momento de instabilidade: intensidade e arrojamento, por um lado, turbulência e descaminhos, por outro. A resposta mais evidente a essa percepção sugere que tal momento de transição deva ser centrado na preparação para a vida futura, sobretudo via formação escolar, de modo a garantir uma adequada inserção na vida social – sob rígido controle dos adultos, é claro, para que as buscas e inquietações não levem a “desvios”.
Mas para ser bem realizada essa preparação suporia uma suspensão ou retardamento da entrada em vários âmbitos e funções da vida social, como o trabalho, as obrigações e compromissos familiares, econômicos e civis. Assim, por essa ótica, durante muito tempo só foram considerados efetivamente “jovens” (como condição social, para além da definição meramente etária) aqueles que podiam viver tal suspensão, proteção e preparação – quase exclusivamente, portanto, os jovens das classes médias e altas, caracterizados principalmente por sua condição de estudante. Os jovens das classes populares, tendo de trabalhar e interrompendo os estudos muito cedo, ou a eles nem tendo acesso, ficaram excluídos dessa construção, como se vivessem a juventude em negativo.
Por sua vez, principalmente na tradição do pensamento da esquerda, criou-se uma forte relação entre a ausência de compromissos sociais já estabelecidos (dada pela “suspensão” temporária das funções e responsabilidades), com uma maior disponibilidade dos jovens às mudanças cultural e política. Assim, a juventude passou a ser definida como tendo por essência ser rebelde, revolucionária, sempre pronta a propor utopias transformadoras – concepção já presente no início do século XIX, na esteira da Revolução Francesa, que se renova e se consolida nos anos 60 deste século, com a mobilização juvenil, de dimensão internacional, em questionamento a padrões culturais e comportamentais, expressa nas imagens do hippie em comunidades alternativas ou do estudante em passeata.
Ocorre que essas concepções, em separado ou tomadas como complementares, são insuficientes para se fazer qualquer diagnóstico ou consideração sobre os jovens no Brasil de hoje. Por um lado, posto que a maioria deles não tem condições de se ver livre de obrigações e compromissos de ordem econômica e familiar, estando longe de ter sua vida centrada no estudo, ao tentar levantar os temas que afetariam a juventude brasileira hoje, o primeiro enfoque pouco consegue se desprender da imagem do “anti-jovem”: os dramas, riscos e desvios tomam o primeiro plano da caracterização, cunhando a imagem de um jovem ora como vítima, ora como produtor de gravíssimos problemas sociais – as drogas, o crime, a prostituição, a gravidez precoce, a violência das gangues etc.
Por outro lado, pelo segundo enfoque também tem-se a impressão de que a atual geração de jovens (e isso já dura pelo menos duas décadas) se apresenta como a negação da essência juvenil, concebida como rebeldia: comparados com as gerações anteriores, dos anos 60 e 70 (sempre lembradas miticamente, como se em sua totalidade tivessem se envolvido nas mobilizações por mudanças), os jovens de hoje parecem estar no polo oposto do compromisso político e da postura rebelde e revolucionária.
A presente pesquisa teve como fim subsidiar o entendimento do que tem sido a vivência da condição juvenil no Brasil de hoje, suas questões, dificuldades e potencialidades, posturas e posicionamentos, a partir do relato de suas opiniões, investigando seus interesses, preocupações e a percepção que têm de si mesmos e da sociedade em que estão inseridos. Trata-se de tentar enxergá-los em sua singularidade histórica e geracional – não em comparação a um modelo pré-estabelecido em outros contextos –, de forma a podermos avançar não só no conhecimento de sua condição, como também, ao ouvi-los e enfocarmos a realidade a partir de seu olhar, de enriquecermos nossa compreensão sobre o momento que a sociedade brasileira atravessa.

Estudo e trabalho
Em primeiro lugar, os dados confirmam que é preciso ver a condição juvenil como dada não só pela vida estudantil – válida para apenas pouco mais de metade dos jovens (58%) – mas simultaneamente pelo mundo do trabalho, com o qual a grande maioria (78%) já tem ou busca contato. Apontam ainda a dificuldade dos jovens – às vezes impossibilidade – de compatibilizarem as condições de estudante e trabalhador(a).
Entre os 42% que já pararam de estudar; apenas 1% o fez por ter chegado à formação completa, de 3º grau (2% interromperam o curso superior, 6% estão cursando) e apenas 30% concluíram o ensino médio (18% o abandonaram) – formação que, dada a proporção da faixa etária com 18 anos ou mais, deveria ter sido atingida por 69%. Cerca de metade dos que pararam de estudar (51%) o fizeram no máximo ao fim do ensino fundamental, dentre os quais, 12% sequer ultrapassaram a 4a. série. Para os adolescentes (de 15 a 17 anos), embora a condição de estudante esteja mais presente (87%), é grave constatar que cerca de 1 em cada 8 desses jovens das regiões metropolitanas já está fora da escola.
Indagados sobre os motivos do abandono dos estudos, as duas principais razões citadas são econômicas: “comecei/ precisei trabalhar/ fiquei sem tempo para estudar”, mencionada espontaneamente por 34% (por 47% dos rapazes e 23% das moças), e “falta de condições financeiras para pagar os estudos” (16%). O terceiro motivo é “gravidez/ casamento”, citado por 13% (23% das jovens que pararam de estudar, 1% dos jovens); 10% alegam desinteresse pela escola, 8% declaram-se satisfeitos com o grau concluído e 5% desistiram depois de barrados no vestibular (as demais razões são dispersas).
E de fato, ao contrário do que faria supor a condição de moratória, cerca de 4 em cada 5 jovens brasileiros metropolitanos estão ligados à esfera do trabalho: em novembro de 1999 apenas 22% não trabalhavam nem buscavam emprego; 36% estavam trabalhando e 42% desempregados – 32% já tinham trabalhado e 10% tentavam ingressar no mercado. Mesmo os adolescentes (de 15 a 17 anos) estão divididos entre trabalho e não trabalho: só 47% nunca tinham procurado emprego, 17% estavam trabalhando (24% dos meninos, 10% das meninas), 15% procurando seu primeiro emprego e 21% já desempregados.
Corroborando o argumento a respeito da pressão de fatores econômicos para a entrada dos jovens no mundo do trabalho, perguntados sobre os destino da renda obtida no emprego (atual ou último, se desempregado), 2 em cada 3 jovens economicamente ativos afirmam contribuir para o complemento da renda familiar (66%), seja com uma parte (57%) ou com tudo o que ganham (9%, taxa que atinge 21% entre os jovens com renda familiar até 2 salários mínimos).
Mas diferentemente do parece, a relação do jovem com o trabalho envolve outros fatores além da pura necessidade de sobrevivência. É meio tanto para a própria formação profissional e, quando compatível, para a continuidade da formação escolar (dado que a maior chance de fazer cursos técnicos e escolas de 3º grau - inclusive os preparatórios para isso - são privados), como permite a vivência da condição juvenil em outras esferas extremamente valorizadas pelos jovens: a sociabilidade e a possibilidade de fruir atividades de lazer e cultura, inclusive realizando os consumos simbólicos que costumam acompanhar tais atividades (roupas, aparelhos eletrônicos etc.). Ligado a isso, o trabalho tem o sentido de realizar o desejo de maior independência em relação aos pais, até no que diz respeito a critérios e prioridades de gastos. Ou seja, trabalho é necessidade, mas também condição para fruir lazer e ganhar autonomia.
Esse conjunto de fatores explica, para além do econômico, porque há bem mais jovens satisfeitos (37% muito, 38% um pouco) que insatisfeitos (10% um pouco, 7% muito) com o trabalho que obtém, não obstante as condições de exploração, extremamente adversas, de sua entrada no mercado (54% com vínculo precário, 66% com jornadas de 8h ou mais, 77% percebendo no máximo 3 salários mínimos). Entre as principais razões espontaneamente alegadas para essa satisfação, despontam a valorização dos relacionamentos proporcionados pelo ambiente de trabalho (15%), o gosto pelas atividades que desenvolvem (14%) e a percepção de ganhos na forma de aprendizado e aperfeiçoamento (6%), além da esperada satisfação com a renda obtida, sempre bem-vinda, por pequena que seja (17%, sendo que neste item 7% ressaltam “ter o próprio dinheiro”).
Em suma, não se pode dizer que o que caracteriza a situação juvenil nas áreas metropolitanas brasileiras hoje é a condição de estudante, mas tampouco que o trabalho apareça somente como a negação dessa condição. Essa percepção é importante para se compreender a relevância do tema do desemprego – junto com a violência, o principal tema de preocupação, presente em muitas das respostas dos jovens ao longo da pesquisa.

Ser jovem, segundo os jovens
Ter liberdade para se divertir, com o adiamento ou minimização de responsabilidades familiares e financeiras é, para a maioria dos jovens, o elemento central da condição juvenil: é quando as responsabilidades impedem a diversão (26%) ou quando se casa ou passa a ter compromissos conjugais e filhos (26%) que acabaria a juventude. A diversão, uma sociabilidade mais livre e a vivência cultural – elementos positivos, vale lembrar – caracterizam a juventude para a maioria de seus protagonistas. Em contraponto a essas percepções, conotações negativas de ser jovem também aparecem, mas em grau bem menor, como fase ligada a diversos riscos, dados pela proximidade com drogas (8%) e violência (7%), o trabalho como obrigação (6%) ou sua falta (6%).
A avaliação da maioria dos jovens metropolitanos sobre a fase da vida que atravessam é positiva: 61% dizem que há mais coisas boas do que ruins em ser jovem, 16% avaliam que há mais coisas ruins e para 23% as coisas boas e ruins se eqüivalem – percepção com razoável influência de classe, posto que a taxa dos que vêem mais elementos positivos em sua condição juvenil, sem deixar de ser majoritária, cai de 68% entre os jovens com maior renda familiar para 50% entre os de menor renda, enquanto a avaliação de que há mais elementos negativos aumenta, respectivamente, de 10% para 25%. A avaliação positiva também é maior entre os adolescentes (65%, contra 59% entre os maiores de 18 anos) e maior entre os rapazes (65%) do que entre as moças (57%).
Perguntados sobre “qual é a melhor coisa em ser jovem”, aparece com força a idéia de que essa é uma fase em que se pode “aproveitar a vida, curtir, se divertir” (citada espontaneamente por 25%). A essa resposta se juntam outras onde a dimensão do prazer também aparece como central: namorar sem compromisso (14%), ter amigos (5%), dançar (5%) etc. A ausência de responsabilidades e compromissos com cônjuges e filhos (14%), “poder estudar/ só estudar” (13%) e “ser livre” (11%) também surgem entre as principais citações positivas da condição jovem.
Já entre as coisas ruins de ser jovem os problemas e riscos predominam: as drogas (25%), o desemprego (9%), a violência urbana (6%), o envolvimento com o crime (5%) e o “envolvimento com as más companhias” (8%), mas há ainda a questão do controle dos pais (9%, taxa que chega a 15% entre as adolescentes, contra 9% entre os adolescentes) e da falta de independência econômica (6%).
Apesar do peso e gravidade dos problemas que atravessam a condição juvenil, os jovens não estão entregues à tristeza ou ao desespero, ao contrário: 45% se dizem “muito satisfeitos” com sua vida, e outros 37% se dizem “mais ou menos satisfeitos”. Essa satisfação relativa com o presente vem acompanhada de uma postura que mescla otimismo, incerteza e pessimismo com relação ao futuro. Num determinado plano, os jovens esperam muito do seu próprio futuro, embora sejam bastante pessimistas com a situação do país e do mundo: 88% acham que sua vida pessoal vai melhorar, enquanto que com relação ao mundo e ao Brasil somente 28% e 31%, respectivamente, acham o mesmo. Refletindo a introjeção da ideologia individualista dominante, que supõe universalizável a atitude de cuidar só de si como caminho para que o tudo melhore, os jovens fundam tal otimismo com relação ao próprio futuro na convicção de esforço pessoal: 33% dizem que vão melhorar como conseqüência de sua inserção profissional, 11% por causa de seus estudos e mais 20% por causa de seu empenho, de sua “batalha”.
No entanto a confiança num futuro satisfatório não é tão sólida como parece: 53% concordam totalmente e mais 26% em parte com a frase que afirma que o futuro traz mais dúvidas que certezas; 57% concordam totalmente (30%) ou em parte (27%) com a frase que diz que o futuro traz mais riscos que possibilidades. A maioria também não vê vantagens em sacrificar o presente em função do futuro: 41% concordam totalmente e 24% em parte com a idéia de que ter experiências interessantes no presente é mais importante do que se preocupar com o futuro.

O lugar da cultura & lazer
A importância que a dimensão da cultura e do lazer tem na vida dos jovens – ratificada por sua proeminência entre os assuntos que mais lhes interessam – já ficara nítida na observação de que se divertir, curtir a vida, viver a sociabilidade com os amigos e fruir de diferentes formas de lazer e de produtos da cultura de massas aparecem como os elementos que mais fortemente definem a condição juvenil. Mas como se dá a relação dos jovens com esses campos?
Nas respostas sobre o que fazem no seu tempo livre, ressalta-se a predominância de atividades de diversão, de passeio, de fruição de bens da indústria cultural e dos meios de comunicação de massa, em contraste com baixíssimos graus de fruição de formas de cultura erudita ou não industrializada (como museus, teatro, exposições de fotografia, espetáculos de dança etc.)
A primeira impressão que se tem, portanto, quando se observa o modo como os jovens usam o tempo livre vem reforçar idéias correntes sobre a “miséria cultural” da juventude, que até já ganhou o título de “geração shopping center”, como uma geração guiada antes de tudo pelo consumismo e pelo modismo, escravizada pela TV, com uma relação extremamente passiva das formas de cultura das quais por acaso se aproxima. O problema é que esta pesquisa não permite conferir até que ponto os jovens se diferenciam dos adultos nessa postura, ou apenas reproduzem o padrão adulto (como é nossa hipótese), hoje predominante no Brasil.
São as atividades que se montam no cruzamento dos campos da diversão, da cultura e do esporte, que ocupam a maior parte das horas livres dos jovens, tanto durante a semana como nos fins de semana. Pelas respostas espontâneas às perguntas sobre o que fazem com mais freqüência nas horas livres, vemos que fruir TV ou rádio é, durante a semana, a atividade mais referida pela maioria dos jovens (57%), assim como ouvir música (37%). Já nos fins de semana, as horas livres são ocupadas com atividades fora de casa (embora TV e rádio, assim como ouvir música, continuem presentes, 27% e 18%, respectivamente): “sair com amigos” (29%), “ir a danceterias ou a shows” (25%), “jogar futebol ou vôlei” (21%), “passear” (19%), “namorar” (20%).
A importância da música também aparece quando constatamos que 77% dizem ouvir rádio diariamente. E, aqui, diferentemente da imagem cunhada do jovem submetido aos modismos dos meios de comunicação dominados pela indústria cultural norte-americana, constatamos que os jovens ouvem principalmente música brasileira: pagode, MPB, samba, sertanejo, axé.
Em resposta a uma bateria estimulada de atividades de lazer, também aparecem como atividades mais freqüentes aquelas que se fazem com amigos, em que a sociabilidade é o motivo maior (passear, ir a festas, shoppings, bares, ou lanchonetes, dançar), que não envolvem gastos (passear em parques, ir a shopping centers, a festas de amigos), ou que propiciem a busca de parceiros, as paqueras, os namoros (passear, dançar etc.).
Entre as atividades “culturais”, que vêm num segundo plano, são principalmente aquelas ligadas à cultura industrial, principalmente o cinema (parece pequena a freqüência mensal – só 24% foi a cinema nos últimos 30 dias, mas se somarmos com a freqüência no ano, vemos que mais da metade foi ao cinema no espaço de pelo menos um ano), mas também os shows de música brasileira ou rock. Já as atividades ligadas à cultura não industrial ou erudita são pouquíssimo citadas.
Muitos e diversos devem ser os motivos para essa baixa freqüência; alguns deles estão ligadas às limitações financeiras, outros às ofertas existentes, e outros ainda ao universo de informações que formam as referências dos jovens: não parece ser à toa que as atividades que mais os levem a gastar seu tempo, dinheiro e energia, sejam aquelas ligadas a formas culturais com as quais têm relação cotidiana, através dos meios de comunicação de massa, no interior dos quais constróem seus repertórios de informação, gostos e referências: música principalmente – que os faz ter uma presença não desprezível nos espetáculos de música brasileira ou rock (no caso da MPB, quase metade foi pelo menos a um show no espaço de um ano); cinema, atividade a que vão menos do que gostariam, como atesta a comparação desta bateria com a repostas à pergunta sobre o que mais gostam de fazer.
Finalmente, cabe notar o expressivo contingente de jovens que conhecem e acompanham as atividades de outros jovens e/ou se auto-organizam em grupos ligados a atividades culturais e de lazer: afirmam conhecer algum “grupo cultural jovem no seu bairro ou comunidade” 56% dos jovens metropolitanos, sobretudo grupos de música (33%), mas também de dança (15%), patins ou skate (13%), de teatro (12%), de ciclistas (11%), pichadores (11%), grafiteiros (9%) e de rádios comunitárias (5%), entre outros menos freqüentes. São membros de algum grupo dessa natureza 11% dos jovens (cerca de 1milhão, na soma das áreas metropolitanas pesquisadas), com destaque para os grupos de música (4%), dança (2 %) e teatro (2%), e não são membros mas participam de suas atividades (como espectadores ou acompanhantes) outros 6%.
Trata-se de um grau de auto-organização e mobilização em torno de atividades culturais e de lazer que, embora minoritário, supera a participação em atividades de cunho político, através dos diferentes canais institucionais disponíveis.

O lugar da política
Passados os períodos de maior mobilização dos anos 60 e 70, em que movimentos de jovens, sobretudo estudantes, irromperam com força na cena política desempenhando papel importante no combate e resistência aos governos militares, para onde teriam ido os jovens brasileiros das gerações seguintes? Os jovens das décadas de 80 e 90 seriam mais alienados que os das gerações que os antecederam? Que lugar ocupa a política para o jovem brasileiro de hoje?
A pesquisa FPA/NOP indica que os jovens das regiões metropolitanas situam hoje a política em um ponto intermediário, não de extrema importância mas tampouco irrelevante. Vejamos os dados:
Em resposta espontânea e múltipla à pergunta aberta “quais os assuntos que mais lhe interessam atualmente?”, política aparece em 7o lugar, citada por 11%, no mesmo patamar que questões de saúde (10%), economia (9%) e segurança/violência (9%). Bem abaixo, portanto, de temas ligados a emprego (37%), educação (30%), cultura e lazer (27%), família (25%), relacionamentos/amizades (22%) e esportes (20% - este o 2o de maior interesse dos rapazes, citado por 34%, mas o 11o de interesse das jovens, citado por apenas 7%).
Esta secundariedade da política, por um lado se confirma nas respostas a pergunta estimulada, em que, entre 10 assuntos sugeridos, é colocada em 8o lugar como tema em que os jovens “têm mais interesse pessoal”, citada por 21%, à frente apenas de ética e moral (16%) e ecologia e meio ambiente (13%). Perde para educação (46%), sexualidade (39%), drogas (36%), esportes (32%, sendo 50% entre os rapazes e 16% entre as moças), desigualdade social e pobreza (32%), artes (29%) e racismo (27%, citado como de maior interesse por apenas 16% dos jovens brancos, mas por 45% dos jovens negros).
O interesse secundário por política não significa, no entanto, o não reconhecimento de sua importância – caso em que, então sim, se poderia admitir, como hipótese a investigar, a idéia de alienação. Em uma seqüência de perguntas em que se solicitou aos jovens que indicassem entre os 10 temas acima os três “que mais gostariam de discutir com seus/as amigos/as”, inicialmente política apareceu outra vez no fim da lista (em 9o lugar, com 13%, junto com ecologia, 12%), ainda refletindo grau de interesse pessoal. Já entre os temas “que mais gostariam de discutir com seus pais ou responsáveis”, política melhora um pouco de posição (7o lugar, citada por 23%), aparecendo junto com racismo (25%), à frente de esportes (17%), artes (13%) e ecologia (9%). Finalmente, entre os temas “que acham mais importantes para serem discutidos pela sociedade”, política salta para o 1o lugar, citada por 48% dos jovens, junto com desigualdade social e pobreza (45%), à frente de educação (42%) e drogas (41%).
Em resposta a pergunta direta sobre a importância da política, metade dos jovens disse considerá-la muito importante, 26% mais ou menos importante e apenas 20% nada importante. Indagados do porquê não dão importância à política, a quase totalidade das justificativas desse grupo revela um deslocamento da questão da política em si para os políticos: a política não é importante, argumentam, porque “não cumprem nada do que dizem/ não resolvem nada” (38%), “são todos corruptos/ ladrões” (27%), “só os políticos ganham salários altos” (8%), “tudo é mentira” (9%).
De fato, o reconhecimento do papel das instituições políticas (boas ou ruins) em nossas vidas e a distinção da política como ideal de atividade humana em substituição à violência na mediação de conflitos, só são possíveis a partir de um olhar que vá além das formas concretas predominantes com que a política institucional e profissionalizada tem mostrado sua cara hoje no Brasil. A dificuldade para esse exercício de abstração explica porque a noção de que a política não é importante é partilhada por expressivos 25% dos jovens que não ultrapassaram o ensino fundamental, mas apenas por 8% dos que concluíram ou cursam o ensino superior. De forma semelhante, em cada três jovens investigados, há dois que reconhecem que a política influi em suas vidas (33% acham que influi muito, outros 33% um pouco) e um acha que não influi (31%) – percepção irrealista manifesta por 40% dos que não cursaram além da 8a série e por apenas 7% dos que chegaram a uma faculdade.
Mas se a maioria dos jovens reconhece a importância social e a influência da política em suas vidas, ao se inverter a pergunta – indagando sobre o grau de influência que eles exercem sobre a política – os resultados apontam para um problema de outra ordem: o descolamento entre as instituições políticas e o cotidiano dos jovens, levando-os a ver a política como algo distante, quando não inalcançável. Menos da metade (39%) acredita ter influência sobre a política (26% acham que influem um pouco e apenas 13% que influem muito), contra 56% que acreditam não influenciar a política (taxa que varia de 38% entre os mais escolarizados a 66% entre os menos escolarizados). Também expressão desse distanciamento, para muitos a política é importante, sim, mas para ser feita por outros: concordam totalmente (25%) ou em parte (18%) que política é algo a ser feito “só por profissionais, como deputados e senadores” 43% dos jovens (51% dos que não ultrapassaram o ensino fundamental e 21% dos que chegaram ao ensino superior).
Os dados sugerem, pois, que não são os jovens que não sabem da relevância da política mas antes a forma predominante de se fazer política no país que não os reconhece como interlocutores, gerando em muitos deles indiferença ou aversão. As respostas dos que afirmam exercer influência sobre a política é sintomática a respeito: quase 2/3 referem-se apenas a atividades vinculadas a eleições, dentre elas quase que estritamente o exercício do voto (55%). Considerando-se a pobreza do modelo liberal da democracia vigente – em termos de espaços de participação, de formulação e controle das políticas públicas, piorado pela tradições brasileiras de falta de transparência, de apropriação privada dos bens e serviços públicos e de impunidade – talvez o surpreendente seja que parte dos jovens demonstre algum grau de interesse pela política.
A pesquisa constatou baixa taxa de participação em atividades políticas e afins: apenas 4% dos jovens que estão estudando participam de centros ou diretórios acadêmicos, só 3% dos que estão trabalhando têm algum vínculo com sindicatos ou associações profissionais, 8% participam de reuniões de partidos políticos, mas antes eventualmente (6%) do que sempre (2%). Como vimos, trata-se de níveis de participação inferiores aos observados em relação a grupos de jovens auto-organizados em torno de atividades culturais. Isto aponta um caminho para o diálogo com os jovens e a reversão desse quadro: o desenvolvimento de políticas de lazer e cultura voltadas especificamente para eles – uma tarefa já iniciada por muitas entidades não governamentais e por alguns governos, principalmente locais.
Por fim, cabe dizer que, se os jovens se mantêm distantes das formas tradicionais da política, a grande maioria acha que pode mudar o mundo (mudar muito, 54%; mudar um pouco, 30%). E a mudança que os jovens fariam no mundo é a erradicação de seus problemas mais pungentes, a violência, o desemprego, a fome, as injustiças sociais, as drogas, a pobreza e a miséria. Podemos então dizer que as energias utópicas não estão esgotadas, que os jovens têm o desejo de um mundo melhor e apostam em sua capacidade de transformação.

Gustavo Venturi é sociólogo, coordenador do Núcleo de Opinião Pública da Fundação Perseu Abramo
Helena Abramo é socióloga

© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net