PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
A ELEIÇÃO DO VEREADOR.

Por: www.politicaparapoliticos.com.br
1- Tornar-se conhecido, ninguém vota em quem não conhece.
A eleição do vereador: como buscar votos entre eleitores desinteressados? I
É desagradável mas é real: a eleição para o legislativo do município atrai pouco interesse dos eleitores. Eleições para cargos legislativos - em todos os níveis - são menos atraentes que eleições para cargos executivos; e, dentre os diferentes níveis, na maioria dos casos, a eleição para o legislativo municipal é a que menos interesse desperta nos eleitores.
Nosso sistema político adota o regime presidencial de governo, o qual, inevitavelmente, personaliza o poder político no chefe do executivo, e na rede de colaboradores, hierarquicamente estruturada e a ele submetida. O legislativo, de sua parte, é um poder plural, democrático, horizontalizado. Todos os legisladores têm os mesmos poderes legais e a ação legislativa é o resultado de uma ação coletiva.
Nossa cultura política - e a predominância do paradigma do estado hegemônico ao longo da nossa história - fez com que os cargos executivos que, por meio do governo, ocupam a titularidade do estado, ganhassem um destaque desproporcional em relação à importância dos cargos legislativos. Além disso, nas eleições executivas, uns poucos políticos disputam o mesmo cargo, facilitando a sua identificação e o processo de decisão de voto. Já nas eleições para o legislativo, são dezenas e até centenas de candidatos disputando de 11 a 55 cadeiras.
Assim, é nas eleições para o executivo, com a personalização da disputa, os programas de governo, a propaganda por rádio e/ou TV, as promessas dos candidatos, numa atmosfera de competitividade, que os eleitores adquirem maior interesse, acompanham mais, atribuem maior importância, e, por conseqüência, votam em maior número. O principal desafio de um candidato a vereador é, pois, o de conseguir que os eleitores dediquem uma parte de seu interesse à disputa pelo legislativo e o escolham.
Que este é um desafio de grandes proporções atestam os elevados índices de voto em branco ou anulados nestas eleições, por comparação com as executivas. No dia da eleição, é tão certo que a maioria dos eleitores terá o seu candidato a Prefeito escolhido, quanto é certo que um número desproporcionalmente maior de eleitores (do que na eleição para o executivo) não terá um candidato a vereador decidido.
Como então deve agir o candidato a vereador para se eleger com os votos de um eleitorado em grande medida desinteressado?
1- Tornar-se conhecido, ninguém vota em quem não conhece. Esta é a regra geral para qualquer candidato. Os candidatos a cargos executivos acabam sendo conhecidos porque a mídia se encarrega de cobrir a eleição, e, antes dela, a campanha e o período anterior ao lançamento das candidaturas. Não há o mesmo interesse da mídia pelos candidatos à vereança, até porque o seu número é muito grande. Portanto, seu primeiro teste é o de conseguir algum espaço nos veículos de comunicação apesar das condições difíceis.
Você vai conseguir, como regra, se criar algum fato político que seja notícia para os veículos. O vereador com mandato, excetua esta regra. Para ele, sempre será mais fácil obter espaços na mídia. Mas, o candidato sem mandato, pode e deve também conseguir o seu espaço.
Tornar-se conhecido é também a resultante de uma campanha moderna e inteligente. Sua prioridade de início de campanha será, forçosamente, tornar-se conhecido do máximo possível de pessoas. É aí que sua equipe de campanha precisa mostrar criatividade, muito trabalho e agilidade. Material de campanha bem elaborado - peças gráficas bonitas, limpas, claras e objetivas - nas mãos de pessoal motivado e bem treinado, pode ampliar consideravelmente a sua notoriedade em pouco tempo.
Para tornar-se conhecido você deve também desenvolver uma "marca" para sua candidatura
O uso do telefone também é um recurso importante para ser usado, com vistas a torná-lo conhecido, desde que se tenha o cuidado de não fazê-lo de maneira inconveniente. Estas ações de campanha devem produzir listas de pessoas que apóiam/simpatizam ou não têm candidato definido ainda, para serem trabalhados durante a campanha. A campanha para vereador tem uma estrutura piramidal. A partir de alguém que o apóia (topo da pirâmide), esta pessoa busca, dentre seus amigos e conhecidos, novos apoios, criando a seção intermediária e a base da pirâmide. Quanto maior for o número das pessoas que podem ser "topo da pirâmide", maior será a sua chance de 1º) tornar-se conhecido; 2º) tornar-se identificável, isto é, ter seu nome fixado e separado dos demais; e 3º) ser votado.
Para tornar-se conhecido você deve também desenvolver uma "marca" para sua candidatura. A marca deve ser capaz de expressar a sua pessoa e os seus projetos. Ela estará presente em toda a sua publicidade, aumentando a sua diferenciação frente aos outros. Tornar-se conhecido, pelo candidato à vereador, é, em última análise, fixar na mente do eleitor seu nome, número, imagem, e seus planos. A marca deve ter o poder de sintetizar tudo isto.
Não se esqueça que são tantos os candidatos que é normal haver confusão de nomes, partidos, números, e até de propostas. Frente a esta "confusão" o eleitor que não tiver seu candidato bem fixado na memória tende a votar em branco, anular o voto, ou votar sem ter certeza se era aquele mesmo o candidato que havia escolhido.
www.politicaparapoliticos.com.br
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net