PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
ACUSAÇÕES LEVIANAS

Por: Lúcio Costa - Recife.
As acusações levianas à sua pessoa afrontam os valores que representa como cidadão, político, cristão e pai de família.
DIARIO DE PERNABUCO 16/11/2003 QUINTA-FEIRA

Acusações levianas


Durante as eleições de 2002, o deputado federal Inocêncio Oliveira foi vítima de um bombardeio de acusações inverídicas, mesquinhas, perversas, manipuladas e covardes, atribuindo-se a ele a responsabilidade de um suposto trabalho servil na Fazenda Caraíbas, município maranhense de Gonçalves Dias, que lhe pertencia e fora vendida no mês de junho daquele ano. Os ex-ministros do Trabalho Francisco Dornelles e Paulo Jobim divulgaram nota oficial testemunhando serem improcedentes as informações veiculadas pela Revista Veja e o jornal Folha de São Paulo. Acusaçõesperversas e preconceituosas, porque chafurdaram a honorabilidade de um homem público que possui uma vida limpa, a pretexto de combater os fantasmas de um inexistente coronelismo regional. Covardes, porque agrediam a honradez alheia e ao mesmo tempo sonegavam o direito de defesa à sua vítima. A verdade, porém, é que esse movimento articulado, ideológico e antiético caiu no vazio. Inocêncio Oliveira emergiu das urnas com quase 200 mil votos de pernambucanos de todos os quadrantes do Estado que reconhecem e valorizam sua atividade parlamentar. A realidade é que não existiu e nem existe trabalho escravo na Fazenda Caraíbas. O que existe na região é uma pobreza secular que não poderá ser redimida pelo voluntarismo de fazendeiros nem pelo acirramento de hostilidades entre patrões e empregados. Além disso, ao tempo em que o deputado possuía a fazenda, os trabalhos eram terceirizados. Mesmo assim, fiscalização realizada pelo Ministério do Trabalho recebeu a devida atenção e as exigências apresentadas foram atendidas pelos empreiteiros e pelo próprio dono do imóvel. Com pronunciamento sobre a questão, em 2002, Inocêncio Oliveira deixou bem claro que o conceito de trabalho servil é incompatível com o mínimo de consciência e dignidade humana. As acusações levianas à sua pessoa afrontam os valores que representa como cidadão, político, cristão e pai de família. Mas, agora, eis que o procurador-geral da República, Cláudio Fonteles, encaminha ao Supremo Tribunal Federal denúncia contra o atual Primeiro Vice-Presidente da Câmara dos Deputados, baseado nessas supostas acusações. Começou outra vez a caça às bruxas, o patrulhamento ideológico. PT, saudações. O STF deve, porém, recolocar a verdade dos fatos, chamar o feito à ordem, arquivando essa denúncia, que é inepta e destituída de qualquer fato real. O estranho nisso tudo é que o zeloso e operoso procurador esquece, por exemplo, o comportamento nada ético da ministra Benedita da Silva, que viajou recentemente a Buenos Aires com as despesas custeadas pelos cofres públicos. E não estava em missão oficial. Fora apenas, para um encontro religioso de sua igreja. Benedita continua "tô nem aí", palitando os dentes, como se nada tivesse acontecido. O nobre procurador esqueceu de fazer o dever de casa.
Lúcio Costa - Recife.
© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net