PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O VERDADEIRO PODER

Por: AUTOR DESCONHECIDO
Poder tem quem sabe juntar, quem sabe unir o que foi separado, quem faz reviver o que parece morto. Esse sim tem o verdadeiro poder.
O verdadeiro poder

AUTOR DESCONHECIDO

Era uma vez um guerreiro, famoso por sua invencibilidade na guerra. Era um homem extremamente cruel e, por isso, temido por todos. Quando ele se aproximava de uma aldeia, os moradores saiam correndo para as montanhas, onde se escondiam do malvado guerreiro. Subjugou muitas aldeias.

Certo dia, alguém o viu se aproximar com seu exército de uma pequena aldeia onde viviam alguns agricultores e, entre eles, um velhinho muito sábio.

Quando os aldeões escutaram a terrível notícia da aproximação do guerreiro, trataram de juntar o que podiam e fugir rapidamente para as montanhas. Só o velhinho ficou para trás. Ele já não podia fugir.

O guerreiro entrou na aldeia e foi cruel, incendiando as casas e matando alguns animais soltos pelas ruas até que chegou na casa do velhinho.

Quando viu quem chegara, o velhinho se assustou. O guerreiro, sem piedade, disse então ao velhinho que seus dias haviam chegado ao fim. Entretanto, ele lhe concederia um último desejo antes de passá-lo pelo fio de sua espada.

O velhinho pensou um pouco e pediu que o guerreiro fosse com ele até o jardim e ali lhe cortasse um galho de árvore.

O guerreiro achou aquilo uma bobagem, um reflexo do desespero ante a morte.

- "Esse velho deve estar senil. Que último desejo mais bobo".

Mas, se esse era o último desejo do velhinho, havia de atendê-lo. Em com um golpe de sua espada cortou um galho da árvore.

- "Muito bem", disse o velhinho.

- "O senhor cortou o galho da árvore. Agora, por favor, coloque esse galho na árvore e faça-o parte dela outra vez."

O guerreiro deu uma longa gargalhada dizendo que o velho deveria estar louco,
pois que isso já não é mais possível.

O velhinho então lhe respondeu:

- "Louco és tu que pensa que tens poder só porque destrói e mata. Quem só sabe destruir e matar não tem poder. Poder tem quem sabe juntar, quem sabe unir o que foi separado, quem faz reviver o que parece morto. Esse sim tem o verdadeiro poder, enquanto tu tens apenas ódio e uma espada".

O guerreiro, muito envergonhado, perguntou ao velhinho:

- E tu, que poder tens?

Ao que o velhinho respondeu sorridente:

- Nenhum. Só rego a árvore!



© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net