PÁGINA INICIAL
  Bate-Papo
  Jogos Online
  NOTÍCIAS DE CAPA
  O MUNDO
  BRASIL
  POLÍTICA
  CRESCIMENTO PESSOAL
  MEIO AMBIENTE
  BONS NEGÓCIOS
  CIDADE
  NOSSA GENTE
  CULTURA
  FOTOS DE SERRA TALHADA
  ESTUDANTES NA REDE
  CÂMARA DOS DEPUTADOS
  TRADUTOR DE LÍNGUAS
  LISTA TELEFÔNICA
  FALE CONOSCO
  LOGIN
  WEBMAIL
          SITES ÚTEIS
Genealogia Pernambucana
Site Política para Políticos
Site Gramsci
Jornal do Comércio
Concursos Públicos
Site Jurídico.com
Site Jornal Digital
Site Correio da Cidadania
Site Carta Capital
Site Caros Amigos
Site Futbrasil.com
História de Serra Talhada
Site da IstoÉ
Site Veja Online
Site O Dia
Estatística do site
Casa da Cultura Serra Talhada
Busca de CEP
Trabalhos Escolares
Rádio Cultura FM
Rádio Lider do Vale FM
Rádio Vilabela FM
Rádio Serra Talhada FM
Rádio Nova Gospel
Rádio A Voz do Sertão
O PODER DA PRECE

Por: AUTOR DESCONHECIDO
Só Deus sabe o quanto vale uma prece.
O poder
da prece

AUTOR DESCONHECIDO


Uma pobre senhora, com ar de derrota estampado no rosto, entrou num armazém, se aproximou do proprietário – que era conhecido pelo seu jeito grosseiro – e lhe pediu para levar alguns mantimentos fiado. E explicou que seu marido estava muito doente, não podia trabalhar e que tinha sete filhos para se alimentar.

O dono do armazém zombou dela e pediu que se retirasse do seu estabelecimento.

Mas pensando na fome dos filhos ela implorou:

- - Por favor, senhor, eu lhe darei o dinheiro assim que o tiver”

Mas ele respondeu que ela não tinha crédito nem conta no seu armazém.

Em pé no balcão ao lado, um freguês que assistia à conversa entre os dois se aproximou do dono do armazém e lhe disse que ele deveria dar o que aquela mulher pedia para sua família. Ele pagaria a conta.

O comerciante então perguntou, meio relutante, para a pobre mulher:

- - Você tem uma lista de mantimentos?

- - Sim, respondeu ela

- - Muito bem. Coloque a sua lista na balança e o quanto ela pesar eu lhe darei em mantimentos, disse o comerciante.

A pobre mulher hesitou por uns instantes e, com a cabeça curvada, retirou da bolsa um pedaço de papel, escreveu nele alguma coisa e o depositou suavemente na balança.

Os três ficaram admirados quando o prato da balança com o papel desceu e ficou embaixo.

Completamente pasmo com o marcador da balança, o comerciante virou-se lentamente para o seu freguês e comentou contrariado:

- - Eu não posso acreditar!

O freguês sorriu e o homem começou a colocar os mantimentos no outro prato da balança.

Como a escala da balança não se equilibrava, ele continuou colocando mais e mais mantimentos até não caber mais nada. Depois, o comerciante ficou parado ali por uns instantes, olhando para a balança, tentando entender o que havia acontecido.

Finalmente, ele pegou o pedaço de papel no outro prato da balança e ficou espantado com o que viu. Não era uma lista de compras, mas uma oração que dizia: “Meu Senhor. O Senhor conhece as minhas necessidades e por isso eu deixo isso em Suas mãos”.

O homem deu as mercadorias para a mulher no mais completo silêncio. Ela agradeceu, saiu e foi embora levando os mantimentos.

O freguês pagou a conta e disse:

- - Valeu cada centavo.

Só mais tarde o comerciante reparou que a balança havia quebrado, entretanto só Deus sabe o quanto vale uma prece.

© Copyright  Mário Olímpio 2003-2014
INDEXBrasil - Serviços de Internet.
Todos os direitos reservados, permitida a cópia de
conteúdos, desde que divulgada a fonte.
e-mail:redacao@serratalhada.net